A história de José do Egito – Temas do Chumash – Aula 8

Por: Rabino Zave Rudman

Introdução

A história de Yossef (José) é uma das mais conhecidas de todos os eventos bíblicos – pelo menos superficialmente. Como é uma das histórias mais longas na Torá, vamos recontá-la brevemente:

Yossef mostra sinais de favoritismo por seu pai, Jacó; especificamente, ele recebeu um belo casaco. Os irmãos de José, o resto das Doze Tribos, estão com ciúmes desta relação especial. Esse ciúme só é aprofundado quando Yossef tem sonhos simbólicos de seu reinado iminente sobre o resto da família. Quando Yossef encontra os irmãos no pasto, eles aproveitam a oportunidade para vendê-lo como escravo e ele acaba no Egito. Eles sujam o casaco de José em sangue animal e dizem a Yakov (Jacó) que ele foi morto por animais selvagens.

José, mesmo que escravizado, utiliza seus talentos e se torna chefe de gabinete do ministro egípcio que o comprou. Ele atrai a atenção da esposa do ministro que tenta seduzi-lo. Quando ele se recusa, ela lança uma acusação de estupro contra ele e o levou a prisão. Mais uma vez, Yossef sobe para o topo e se torna o chefe dos prisioneiros. Ele faz amizade com dois dos ministros do faraó e interpreta seus sonhos corretamente. José solicita que um deles implore o faraó por clemência, mas, como é comum com pessoas importantes, o ministro esquece Yossef assim que ele saiu da prisão.

Dois anos depois, o faraó também tem um sonho, e José é levado da prisão para interpretá-lo. Sua interpretação da iminente fome é bem recebida e Yossef é encarregado dos preparativos. Ele se torna o primeiro-ministro, se casa e tem filhos.

Quando a fome começa, seus irmãos vêm comprar comida do Egito, sem saber que é realmente Yossef. Agora é sua chance de virar a mesa! No entanto, depois de verificar que eles se arrependeram verdadeiramente pelo que fizeram com ele, ele revela-se a eles.

Yossef providencia toda a família para descer ao Egito, e providencia por toda a fome. Mesmo quando a fome acaba, eles permanecem no Egito. Jacó e todos os seus falecem, e começa o período do exílio egípcio.

Vamos discutir três aspectos fundamentais desta história:

 

  • O desacordo entre os irmãos
  • Yossef como a representação do povo judeu no exílio
  • A revelação de Yossef aos irmãos de sua verdadeira identidade

Tradição familiar

O que é mais difícil de entender nesta conta é o comportamento dos irmãos de José. Na nossa mente, geralmente os imaginamos como adolescentes. A realidade é que eles eram adultos – Yossef, pois o mais novo tinha 17 anos, e Reuven (Ruben), o mais velho tinha 23 anos. É difícil imaginar essas pessoas – as futuras cabeças das ilustres Doze Tribos – se chateando com um casaco trivial, por mais colorido que possa ser. E que, então, eles contemplariam o assassinato e, em última instância, comprometeriam “só” a venda de seu irmão à escravidão, é ainda mais difícil.

Se olharmos o contexto dos patriarcas, podemos começar a ver uma resposta. Nenhum dos patriarcas era um filho único. Isaac tinha um meio-irmão Ismael. Jacob tinha um irmão gêmeo, Esav (Esaú). Em cada situação, uma decisão foi tomada para um irmão continuar a tradição familiar, enquanto o outro irmão se foi. Nessas duas situações, a escolha era mais ou menos mútua. Nem Ismael nem Esav estavam interessados ​​em promulgar os padrões morais Divinas no mundo. Portanto, não é surpreendente que os filhos de Jacó pensassem que talvez houvesse algum tipo de imperativo de que apenas um filho possa continuar a bandeira do judaísmo.

No entanto, esta família era diferente das duas gerações anteriores. Yakov conseguiu criar todos os seus filhos para sentir o privilégio de continuar os ideais familiares. Eles estavam dispostos a se separar do resto do mundo e fazer parte desse movimento espiritual inovador. Em outras palavras, nenhum deles queria se juntar ao tio Essav.

É por isso que o favoritismo aparente em relação a José dizia respeito a eles. Eles sentiram que sua chance de fazer parte dessa conexão exclusiva com D’us estava sendo invadida. Quando alguém está tentando forçá-lo – não só de seu direito financeiro de nascimento, mas também sua conexão com a eternidade – entende-se por que uma ação drástica pode ser necessária.

Jacó, por outro lado, não tinha ideia de que essa dinâmica estava ocorrendo. Ele viu seus filhos de um nível tão alto, que ele pensou que eles estavam acima de qualquer desentendimento. Ele estava certo de que eles iriam ver qualquer presente individual como um benefício para toda a família e a comunidade.

Yakov estava correto nesta suposição, mas demorou alguns anos para que ela fosse realizada. Só depois de terem sido ameaçadas com a perda de seu irmão Benyamin (Benjamin), os irmãos restantes se unem para se protegerem. Eles vêm apreciar como eles são uma nação, não apenas um grupo aleatório de indivíduos. E é então que José revela a sua verdadeira identidade.

Múltiplos ângulos

Agora que respondemos o raciocínio quanto ao que aconteceu, devemos lidar com uma questão mais fundamental: por que a Torá não explica tudo isso? Por que a Torá nos permite pensar erroneamente que estamos lidando com argumentos infantis e pequenos? Mesmo os Sábios apontam para esta história como uma lição para os pais não diferenciar entre irmãos, já que nossos antepassados ​​foram para o exílio por uma pessinha de pano. Mas nós não aprendemos que há muito mais profundidade nesta história ?!

A resposta faz parte do aspecto multidimensional da Torá, que pode ser entendida em muitos níveis. Como em qualquer obra literária, o contexto é tudo. Mas a Torá é diferente na medida em que pode ser vista de vários ângulos e, em todos os ângulos, há outra verdade a ser aprendida. Leia a história em sua superfície literal e aprendemos a lição da rivalidade entre irmãos. Essa não é toda a história, mas a lição está correta. Colocando-o em um nível de contexto diferente, aprendemos uma lição mais profunda sobre a formação das tribos. À medida que crescemos e vemos mais o contexto da Torá, nossa percepção desses eventos assume novos matizes.

Yossef e o exílio

Yossef é a encarnação do povo judeu. Ele vai para o exílio como um escravo, sobe acima deste começo humilde, e então enfrenta tentação e assimilação. Quando ele resiste este teste, ele parece ter perdido… mas, finalmente, ele é bem sucedido.

Se examinarmos os diferentes episódios do sucesso de José, encontramos um tema comum: sempre que ele é escolhido por seus talentos e capacidades únicas, Yossef sempre dá crédito a D’us por suas realizações. Na frente a Faraó, e logo será nomeado primeiro-ministro, Yossef explica: “Não sou eu, porque eu sou apenas um instrumento do Todo-Poderoso” (Bereshit/Gênesis 41:16).

Ao longo da história judaica, os líderes encontraram algo eminentemente confiável sobre um homem que considera o Todo-Poderoso – e não ele mesmo – ser o maior poder. Daniel era um conselheiro do governante da Babilônia, Nabucodonosor. Mordechai, da história de Purim, serviu como primeiro-ministro para Achashverosh (Assuero). Maimônides era o médico real do sultão do Egito. E Don Yitzhak Abarbanel, o líder rabínico dos judeus espanhóis antes da Inquisição, foi o ministro das Finanças dos Reis Católicos Fernando de Aragão e Isabel de Castela.

E essa qualidade não só permite que José sobreviva ao seu exílio pessoal, mas quando seu pai, Jacó, o encontra depois de 22 anos, ele ainda pode reconhecer o jovem com quem estudou a Torá.

Qual é a raiz da incrível habilidade de José para superar as lutas da alienação de sua família, tentação e orgulho? O Midrash melhora a nossa compreensão com o seguinte evento: quando a esposa do ministro finalmente aprisionou Yossef sozinho na casa, ele está quase pronto para ceder a sua sedução. “Por que eu deveria ser diferente de qualquer outra pessoa nesta sociedade?”, Diz Yossef. Mas então, no momento crucial, uma visão de seu pai aparece para ele. E isso é suficiente para lembrar a Yossef de quem ele é e do que ele é capaz. Ele escapa das garras da tentação (Yetzer Harah), mesmo quando ele deixa sua camisa para trás nas mãos da tentadora.2 E assim, ao longo dos tempos: o povo judeu carrega consigo uma visão de seus antepassados, que nos inspiram a alturas de espiritualidade em qualquer circunstância .

Na verdade, os filhos de José, Efraim e Menashe (Manassés) foram os primeiros filhos judeus a serem criados na diáspora. Apesar de grandes chances, eles cresceram no Egito e mantiveram a adesão aos ideais da Torá e a praticam.3

Dia do julgamento

A terceira e última parte da história é a revelação de Yossef para seus irmãos. Os irmãos, que sofreram dores de remorso por 22 anos, chegam ao Egito para comprar alimentos para sobreviver à fome. Mas ao invés de ter permissão para comprar suas necessidades como todos os outros, eles são submetidos a interrogatórios incessantes pelo caprichoso primeiro ministro do Egito, ou seja, Yossef. A última gota é quando ele acusa Benyamin de roubar seu precioso cálice. Os irmãos estão prontos para sacrificar-se pela liberdade de Benjamim, e Yossef leva isso como sinal de que os irmãos superaram as rivalidades que os separaram anteriormente.

A revelação de José é dramática e poderosa. Ele está diante de seus irmãos e, de repente, falando com eles em hebraico, diz: “Eu sou Yossef, seu irmão, o qual você vendeu para a escravidão!”

Quem pode responder a tal acusação? Seus conhecimentos são horríveis, e está chegando em círculos completos para assombrá-los. Como Judá diz: “D’us descobriu nossa antiga culpa” (Bereshit/Gênesis 44:16).

Se pensarmos sobre isso, veremos que esse desafio nos enfrenta ao longo da nossa vida. Estamos diante de nenhum outro humano, mas diante de nosso Criador, que conhece todas as nossas ansiedades, deficiências e as inúmeras maneiras de tentar esconder tudo. E em algum momento, devemos responder à revelação dessa verdade, como nos pedem para justificar de alguma forma o que poderíamos ter realizado e não. E, assim como os irmãos de pé e tremendo de boca aberta, nós também estamos.

A história de Yossef é o relato de cada uma de nossas vidas: nossas rivalidades, nossa alienação e tentação. E nos desafia a responder a pergunta final: “Eu sou D’us, você não me reconhece?” Esperançosamente, ao sermos reais com nós mesmos, podemos respondê-lo: “Sim, eu reconheço”.

Author: admin

Comments

comments

Deixe uma resposta

Assine nossa lista de e-mails agora!

Assine nossa lista de e-mails agora!

Fique sempre informado de todas os nossos estudos, artigos, notícias e muito mais. É só preencher o formulário abaixo com seu nome e e-mail. Nós da SHAAREI SHALOM ficamos muito felizes em ter você em nossa lista de amigos.