Shemá Israel

Em 1945, o rabino Eliezer Silver foi enviado para a Europa para ajudar a recuperar crianças judias que haviam sido escondidas durante o Holocausto com as famílias não-judias. Como ele foi capaz de descobrir as crianças judias? Ele iria para reuniões de crianças e proclamava em voz alta Shemá Israel – “Ouve Israel, o Senhor nosso D’us, o Senhor é Um”.

Então ele olhava para os rostos das crianças com lágrimas nos olhos – aquelas crianças cujas memórias distantes de serem judias era da mãe colocando-os para a cama cada noite e dizendo que o Shemá com eles.

Shemá Israel – “Ouve Israel, o Senhor nosso D’us, o Senhor é Um” – é talvez o mais famoso de todos os ditos judeus.

O Shemá é uma declaração de fé, uma promessa de fidelidade a um D’us. Se diz ao se levantar de manhã e depois de ir dormir à noite. Diz-se quando louvando a D’us e quando suplicando-Lhe. É a primeira oração que uma criança judia é ensinada a dizer. São as últimas palavras de um judeu diz antes da morte.

O Talmud diz que quando Jacob estava prestes a revelar o fim dos dias para seus filhos, ele estava preocupado que um deles pudesse ser um não-crente. Seus filhos o tranquilizaram imediatamente e clamaram: “Shemá Iisrael”.

Torá registra que Moises incluiu o Shemá em seu discurso de despedida para o povo judeu.

Recitamos Shemá quando nos preparamos para ler a Torá aos shabatot e festivais. E nós recitamos Shemá no final do dia mais sagrado do Yom Kippur, quando atingimos o nível dos anjos.

Shemá está contido no mezuzah que afixamos na ombreira da porta da nossa casa, e no tefilin que ligamos em nossos braços e cabeças.

Ao longo dos tempos, a recitação do Shemá sempre simbolizou a manifestação suprema da fé nas situações mais graves. Com o Shemá nos lábios, judeus aceitaram o martírio em jogo do Inquisidor e nas câmaras de gás nazistas.

Qual é o significado mais profundo desta afirmação histórica de credo central do judaísmo?

Shemá: “Como fazer?”

Somos ordenados a dizer o Shemá duas vezes por dia: uma de manhã e outra vez à noite. Este requisito é derivado do verso: “E você deve falar sobre eles quando te … deitar e ao levantar-te” (Devarim/Deuteronômio 6: 7). O Talmud explica que quando você “deitar e ao levantar-te” não se refere à posição literal do próprio corpo, mas sim designa a hora do dia para dizer o Shemá (Berachot 10b).

Em termos técnicos, a hora para recitar Shemá a noite começa ao cair da noite (cerca de 40 minutos depois do pôr do sol) e continua até a meia-noite (ou, se necessário, até o amanhecer do dia seguinte). A hora para a o Shemá da manhã começa cerca de uma hora antes do nascer do sol (a partir de quando você pode reconhecer um amigo a quatro côvados de distância), e continua até cerca de 08:00 (ao fim de três horas sazonais completos).

O Shemá completo é composto de 3 parágrafos da Torá. O primeiro parágrafo, Devarim/Deuteronômio 6: 4-9 (Na Parashat Vaetchanam), contém os conceitos de amar a D’us, aprender a Torá, e passar a tradição judaica para os nossos filhos.

Estes versos também se referem especificamente as mitzvot de tefilin e mezuzah. Enquanto oramos, usamos tefilin como um sinal visível de D’us perto de nossos corações e perto de nossos cérebros, para mostrar que todos os nossos pensamentos e as emoções são dirigidos para D’us. O rolo da mezuzá é afixada em nossos umbrais para mostrar que estamos seguros na presença de D’us.

O segundo parágrafo, Devarim/Deut. 11: 13-21, fala sobre as consequências positivas de cumprir as mitzvot, e as consequências negativas de não cumprí-las.

O terceiro parágrafo, Bamidbar/Números 15: 37-41, fala especificamente sobre a mitzvah de usar Tzitzit, e o Êxodo do Egito. Tzitzit são um lembrete físico dos 613 mandamentos da Torá. Isto é derivado do valor numérico da palavra tzitzit (600), mais os cinco nós e oito cordas em cada canto, num total de 613.

Unidade de D’us

Um tema principal do primeiro verso é a Unicidade de D’us: “Ouve Israel, Senhor nosso D’us, o Senhor é Um” (Devarim/Dt. 6: 4).

Além disso, assim como está escrito em um rolo da Torá, as letras “Ayin” e “Dalet” do primeiro verso são ampliadas – codificado para soletrar a palavra hebraica “Ôd” (Testemunha) Quando dizemos o Shemá, estamos testemunhando a Unicidade de D’us.

Porque é que a “unidade” tão central a crença judaica? Será que realmente importa se D’us é um só e não três? Ou doze? Ou dezenas?

Eventos em nosso mundo parece mascarar a ideia de que D’us é um só. Um dia, acordamos e tudo vai bem. O próximo dia tudo vai mal. O que aconteceu?! É possível que o mesmo D’us que nos dá tanta bondade um dia, pode fazer tudo dar errado no próximo? Sabemos que D’us é bom, então como pode haver tanta dor? É apenas “má sorte”?

O Shemá é uma declaração de que todos os eventos são do Único, a somente Um. A confusão deriva de nossa percepção limitada da realidade. Uma maneira de entender a unidade de D’us é imaginar a luz que brilha através de um prisma. Mesmo que vemos muitas cores do espectro, eles realmente emanam uma luz. Assim também, mesmo que pareça que certos acontecimentos não são causados por D’us, e não por alguma outra força ou má sorte, eles na verdade vêm do único D’us. No plano eterno maior, tudo é “bom”, pois D’us sabe melhor.

Isto vai contra a doutrina de Zoroastro do dualismo, que propõe a ideia de dois poderes conflitantes – o bem e o mal.

Quando um judeu diz Shemá, é habitual fechar e cobrir os olhos. A outra vez na tradição judaica de que os olhos são especificamente fechados é na morte. Assim como no final do dia chegaremos a entender como até mesmo o “mau” era, na verdade, para o “bem”, assim também, enquanto dizemos o Shemá nós nos esforçamos para esse nível de crença e compreensão.

Os Sábios nos dizem que o patriarca Yaakov (Jacó), após uma separação de 22 anos de seu filho Yosef (José), finalmente desceu ao Egito para vê-lo. Quando eles se reuniram, Yaakov estava dizendo a Shemá. Os anos de desejo de seu filho há muito perdido saiu em uma explosão emocionalmente carregado de “Shemá Yisrael!”

Amar a D’us

O segundo verso do Shemá é: “Amarás o Senhor teu D’us, com todo o teu coração, com toda tua alma e com todos seus recursos ” (Devarim/Deut. 6: 5).

O que significa amar a D’us com todo seu coração? O Talmud explica que a palavra “coração” é metafórico de “desejos”. Ainda hoje coloquialmente dizer: “Eu amo o chocolate”, que significa “desejo de chocolate.” Quando o Shemá diz para “amar a D’us com todo o teu coração”, que significa usar não só os seus “bons traços” como a bondade e compaixão para fazer a vontade de D’us, mas também de usar seus traços mais difíceis para servi-Lo.

Aprenda a relaxar e apreciar melhor o mundo que D’us criou.

Por exemplo, quando você vai a um restaurante agradável, não vá, porque você quer devorar. Prefere ter em mente que você está comendo, a fim de manter seu corpo saudável, para ser capaz de servir a D’us. Da mesma forma, se você fosse comprar um CD de música, você deve comprá-lo, a fim de ajudá-lo a relaxar e apreciar melhor o mundo que D’us criou.

O que significa “amar a D’us com toda a sua alma”?

O grande estudioso do Talmud, o Rabino Akiva (século II) amou tanto a D’us, que ele ensinou Torá apesar do direito romano proibi-lo. Quando os romanos descobriram, o condenaram a uma morte dolorosa. Eles levaram um grande pente de ferro e começou a raspar sua carne. Como ele estava sendo torturado, o Rabino Akiva alegremente recitou o Shemá – “Ouve Israel, o Senhor nosso D’us, o Senhor é Um”.

Seus alunos perplexos perguntaram: “Mestre, como você pode louvar a D’us em meio a tal tortura?”

Rabi Akiva respondeu: “Toda a minha vida, esforçando-me por amar a D’us com toda a minha alma Agora que tenho a oportunidade de realizá-lo, faço-o com alegria.” Com seu último suspiro, ele santificado o nome de D’us por recitar as palavras de Shemá. (Talmud – Brachot 61a)

A parte final deste verso diz “amar a D’us com os seus recursos.” Isto é difícil de entender, porque normalmente a Torá apresenta uma série como uma progressão de mais fácil ao mais difícil. Aqui, a ordem é: D’us do amor emocionalmente (“coração”), e até mesmo estar disposto a desistir de sua vida, se necessário (“alma”), e até mesmo estar disposto a gastar o seu dinheiro, também!

Se esta é uma progressão, há realmente pessoas que consideram o dinheiro mais importante do que a própria vida?!

A resposta é sim. O Talmud (Brachot 54a) fala sobre alguém que anda através de um campo espinhoso, e pega as calças para evitar que se rasguem. As pernas da pessoa ficaram toda cortadas e arranhadas – mas pelo menos as calças estão salvas!

Em Nevada, onde o jogo é legal e cada hotel tem um casino, janelas de quarto de hotel são especialmente concebidos para não abrir mais que uma pequena fresta – para que as pessoas que perdem dinheiro no jogo não vão tentar a saltar para fora da janela. Sim, para alguns, o dinheiro é mais importante do que a própria vida.

Unidade judaica

Seth Mandel, o pai do menino de 13 anos Koby Mandel, que foi espancado até a morte em uma caverna por terroristas árabes, falou em um grande comício pró-Israel em Washington DC, em abril de 2002. Ele contou a seguinte história:

No bombardeio em Sbarro Pizza, que matou 15 pessoas em Jerusalém, cinco membros de uma família holandesa foram mortos. Um deles era um menino de 4 anos de idade chamado Avraham Yitzhak. Conforme ele estava deitado no chão – sangramento, queimando e morrendo – ele disse a seu pai: “Abba, por favor me ajude! Me salva”.

Seu pai se aproximou e segurou sua mão. Juntos, eles recitaram as palavras do Shemá.

Seth Mandel disse à multidão em Washington:

“Meu filho Koby morreu sozinho. Eu não tive a chance de dizer o Shemá com ele. Então agora eu quero que vocês me ajudem a rezar o Shemá para as centenas de judeus que foram mortos no Oriente Médio pela violência. Diga o Shemá comigo no mérito do menino em Sbarro. E rezem o Shemá comigo no mérito de meu filho Koby “. Ele então levou a multidão de 250.000 a recitar o Shemá juntos.

A história bíblica e moderna demonstra que a unidade judaica trouxe segurança para ambos o povo judeu e do mundo como um todo. A agressão física e espiritual foi lançada sobre a humanidade em 9 de Setembro. A tensão em Israel continua a subir. A ameaça do terrorismo ainda paira. Quem sabe o que está vindo em seguida? O que podemos fazer?

Agora, em nossos tempos turbulentos, cada um de nós – homens, mulheres e crianças – podemos ajudar de uma forma simples, mas poderosa: Todas as manhãs e à noite, dê uma pausa de 15 segundos no que você está fazendo e diga o Shemá.

O importante é entender e se concentrar no significado das palavras. Se você não entender o hebraico, você pode dizer que em português também. E, em seguida, torná-lo um objetivo para aprender a pronúncia e o significado de ser capaz de dize-lo em hebraico também.

Os pais podem dizer o Shemá em voz alta com seus filhos. Pode ser muito reconfortante para as crianças a ter um ritual noturno de dizer o Shemá, uma oração ao Todo-Poderoso para protegê-los.

Dizendo que a Shemá é uma fórmula simples de seis palavras, para unir todas as pessoas amantes da paz e trazer mais luz espiritual em nosso mundo.

Segue os vídeos com as aulas de leitura do Shemá


em vídeo com o Rabino Moré Ventura.


Por: Rabino Shraga Simmons

Tradução: André Ranulfo

Author: admin

Comments

comments

Deixe uma resposta