História Judaica – Aula 1 – Porque estudar história?

história judaica ensina, não só para evitar os erros do passado, mas para entender o destino está nos levando.

Pelo rabino Ken Spiro

Esta série é concebida como uma visão geral de toda a história judaica – todos os  nossos 4.000 anos.

Normalmente, quando se menciona a palavra “história” a maioria das pessoas suam frio. Eles se lembram de volta para a escola e associam história com a memorização de nomes, datas, lugares e eventos necessários apenas para exames e depois prontamente esquecido depois. Este é provavelmente por isso que Mark Twain disse: “Eu nunca deixo minha educação interferir com a minha educação.”

Então, antes de realmente começar a falar sobre a história judaica, vamos falar um pouco sobre por que precisamos aprender a história em primeiro lugar. Qual é a história? Qual o benefício  em aprender história de  serve?

A história é, em primeiro lugar, o campo de testes de idéias. Nas palavras de Lord Henry Bolingbroke (1678-1751): “A história é a filosofia com exemplos.” Podemos falar em teoria sobre idéias, mas a passagem do tempo mostra-nos claramente que as idéias estão certas ou erradas – o que funciona e o que não funciona. Assim, por exemplo, cem anos atrás, um comunista e capitalista poderia debater qual sistema iria dominar o mundo, mas a história recente tem nos mostrado que o comunismo falhou e capitalismo continua a florescer.

Há uma quantidade enorme de lições que podem ser aprendidas com a história. Como o filósofo hispano-americana, George Santayana disse: “Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão destinados a repeti-la.”

Portanto, a razão de base para aprender história, em geral, é que as pessoas, mais ou menos, são sempre as mesmas. Impérios surgem e caem, a tecnologia pode mudar, as realidades geopolíticas do mundo pode mudar, mas as pessoas tendem a fazer as mesmas coisas estúpidas uma e outra vez. E a menos que aprendemos com o passado e nos lembremos, e aplicar essas lições para o futuro, nós estamos destinados a ficar preso na mesma rotina e repetir os mesmos erros repetidamente.

Tema especial

Este tema se aplica a história judaica também. A Torá ensina:

Lembra-te dos dias da antiguidade, atenta para os anos, geração por geração; pergunta a teu pai, e ele te informará, aos teus anciãos, e eles to dirão. (Devarim/Deut 32:7)

Mas o judaísmo também introduziu um conceito na história humana que é revolucionário em todos os aspectos, especialmente no aspecto da moralidade e da noção de história em geral – a ideia de um Deus infinito que age na história.

A concepção judaica de Deus é a do Criador, o Mantenedor e Supervisor, o que significa não um Deus que criou o mundo e, em seguida, foi de férias para Miami, mas um Ser infinito que está ativamente envolvido na criação. Para colocá-lo mais filosoficamente: Todo o mundo físico é uma criação da consciência de Deus. O universo não tem existência independente fora de Deus “dispostos” que ela exista.

Tudo no universo está sob o controle de Deus – do quantum ao cósmico. Isto tem implicações monumentais para os eventos que ocorrem na pequena mancha no universo que chamamos de Terra. Se Deus sabe e controla tudo, então a história é um processo controlado que conduz a um destino.

Uma vez que Deus é o roteirista cósmico, diretor e produtor, os acontecimentos da história humana não são aleatórios. Esta é uma história com um enredo – um objetivo. Isto significa que estamos a caminho de um destino específico; há uma linha de chegada.

Antes de começar a olhar para a história judaica devemos primeiro dar passo para trás e ter uma noção geral do grande esquema básico do enredo e os prazos para a história.

O início da história

Começamos a contar do ano judaico a partir da criação de Adão, que é visto como o auge físico e espiritual em termos da criação do mundo.

Como o Livro de Gênesis relata que, Adão foi criado no sexto dia no processo de criação, mais de 5760 anos atrás. (O ano de 2000 da Era Comum é equivalente ao ano 5760 no calendário hebraico)

Adão é única entre as outras criaturas, que habitam a terra não apenas porque ele dá origem a um grupo tão incrivelmente inovador de descendentes, mas porque Adão é criado b’tzelem Elohim, “à imagem de Deus” (Gênesis 1:26) Isso significa que ele tem uma alma – uma neshamah – Uma maior espiritualidade, essência intelectual. Esta centelha divina é a essência de Deus-como nós, seres humanos, todos têm.

Uma vez que Adão é concluído, Deus, então, por assim dizer, tira o relógio cósmico, entrega para Adão e diz: “Agora vamos mudar para o tempo da Terra. “Um dia se torna uma revolução da Terra sobre seu eixo, um ano é a terra indo em torno do Sol uma vez, etc. De acordo com a cronologia judaica, Deus deu partida do relógio mais de 5760 anos atrás. (1)

Há uma profunda lição enraizada na ideia de começar o calendário judaico a partir da conclusão de Adão. Assim como o diretor do filme começa as câmeras rodando quando os grandes atores aparecem no set (apesar de anos de preparação foi usado para o projeto antes de as filmagens real começa), assim também Deus acionou o relógio terra, quando Adão aparece no planeta. A lição a ser aprendida forma isso é que o foco da criação é a humanidade. Deus cria um universo inteiro para os seres humanos. A pergunta final é, então, por que estamos aqui? Qual é o propósito da criação?

Muitas pessoas acreditam que Deus precisa de nós, então Ele criou o homem para servi-Lo. Esta não é a perspectiva judaica na criação. Se Deus é infinito, então Ele não tem necessidades ou desejos. Ele não tem nada e não há absolutamente nada que possamos fazer por ele. Então, por que fomos criados?

Uma das ideias mais fundamentais do judaísmo é que Deus nos criou para nos dar o presente final: um relacionamento com Ele, transcendente (em hebraico, a palavra é Dvekut – anexo). Conectando-se a Deus é a última forma de relacionamento e que a nossa alma em última análise, anseia. Todo o prazer que experimentamos e cada relacionamento significativo que fazemos neste mundo é apenas uma pequena amostra da relação final da nossa alma com o nosso criador. (Ver: o rabino Moshé Chaim Luzzatto, Derech Hashem I: 2: 1)

Isso é o que o Jardim do Éden é, tudo. Não é, como é tantas vezes retratado na arte, algum tipo de Club Med. Pelo contrário, é o ideal da realidade física e espiritual, onde os seres humanos estão livres de todas as coisas que os distraem: contas, fazer compras, ir pro trabalho, etc. e são totalmente focado em alcançar o propósito da criação: elevar a nós mesmos e o mundo ao nosso redor para o mais alto possível relacionamento com Deus.

O enredo da história humana deveria ter sido muito simples: Deus nos coloca em um ambiente perfeito onde são livres para fazer o que fomos criados. Passamos o resto da história passeando pelo jardim, aperfeiçoando a criação e construindo um relacionamento com Deus.

Infelizmente algo deu muito errado. Começando com Adão e Eva comer da árvore do conhecimento, a relação começou a desmoronar. A humanidade achou muito difícil manter um relacionamento com um Deus invisível. As pessoas sentiam que mostrar respeito às várias forças visíveis da natureza, criados por Deus, seria a maneira de mostrar indiretamente respeito ao próprio Deus. O que aconteceu, porém, foi que dentro de algumas gerações adoração de Deus foi substituída pela adoração da natureza: o sol, a lua das árvores … Deus foi esquecido e adoração de ídolos foi praticado por todos. Todo o propósito da criação estava perdida. É esta ruptura da relação com Deus, que categoriza o início da história descrita na Bíblia. (Veja Breishist Rabá 23:10; Mishná Torá, as leis da Idolatria 1: 1)

A narrativa bíblica descreve como esse declínio espiritual continua por mais de um milênio e meio, até chegarmos à história do dilúvio. O enredo básico desta história é para a frente: O propósito da criação é o relacionamento com Deus. Essa relação foi totalmente perdida assim Deus decidiu “limpar” o mundo, poupando apenas Noé (que, sozinho, manteve um relacionamento com Deus). A esperança era que Noé seria repovoar o mundo e reconstruir a relação. Ela não funciona e a humanidade continua a diminuir até a Torre de Babel. O foco dessa história é humanidade unida por todas as razões erradas: a se rebelar contra Deus. (Veja Talmud, Sanhedrin 109a) Já por este ponto no livro de Gênesis coisas não estão indo bem para a humanidade. É como se Deus não terá outra escolha, mas para destruir o mundo e começar de novo a partir do zero. Mas quando tudo parece perdido junto veio um homem que mudou o curso da história.

Missão de Abraão

Avraham é grande por duas razões. Em um mundo quase totalmente politeísta que perdeu completamente a sua relação com Deus, Abraão, usando apenas o poder do seu intelecto, escolheu para ver a realidade de um Deus. Quando vimos pela primeira vez Abraão na Bíblia, no Livro de Gênesis (Gênesis 12: 1), ele já tem 75 anos. Isso pode muito bem ter sido a primeira vez que Deus falou com ele! Isto significaria que, até esse momento, Avraham viveu toda a sua vida sem profecia, sem qualquer tipo de confirmação exterior que sua ideologia do monoteísmo foi correta, e isso diz muito sobre a dedicação de Abraão a verdade. (Veja Talmud, 32a Nedarim)

Abraão é o candidato a verdade suprema. Agora você pode imaginar ser a única pessoa no mundo a acreditar na ideia de que ninguém mais pode compreender ou aceitar? Nenhum de nós teria o desplante para sequer sussurrar esta ideia aos nossos melhores amigos.

Isso me leva a segunda metade da grandeza de Abraão. Ele não se importa que os outros pensam. Ele diz: “Eu optei por dedicar minha vida a causa final;  Para trazer a humanidade de volta para o propósito da criação, de volta ao relacionamento com Deus” Ele estava mesmo disposto a dar a vida por Deus. Não é porque Deus precisa de alguém a morrer por ele. (Deus é infinito, você não pode fazer nada por ele), mas sim porque Avraham entendeu que sem este relacionamento com Deus a humanidade está condenada. Isso nos dá uma pequena indicação de grandeza de Abraão e seu idealismo. Ele não se importava que está sozinho no “outro lado” – e esse é o significado da palavra Ivri, em hebraico. (Veja Breishit Rabá 42:13) Ele estava do outro lado, sozinho contra o mundo inteiro.

Isso também explica o que o conceito de “povo escolhido” é tudo. Avraham, por assim dizer, diz a Deus: “Eu escolho viver com a realidade de vocês e trazer toda a humanidade de volta a essa realidade”. Deus, então, diz a Abraão: “Então, eu escolhi você, e os seus descendentes.” Para o que o povo judeu foi escolhido? Não é o de privilégio (embora seja um grande privilégio de ser judeu), mas para a responsabilidade. Qual é a responsabilidade? Em hebraico, o termo é chamado Tikkun Olam, “Consertar o mundo”. É a causa final – para trazer a humanidade de volta para o propósito da criação e criar o  mundo mais espiritualmente /moralmente perfeito possível. Esta é a missão histórica-nacional do povo judeu.

Se entendermos o propósito da criação e da missão de Abraão, em seguida, o resto da nossa linha de enredo para a história humana é bastante simples: a humanidade volta a Deus com o povo judeu liderando o caminho.

Se entendermos este conceito do povo judeu liderando o caminho, então o que acontece com o povo judeu na história começa a fazer sentido. Quando falamos sobre o povo judeu liderando o caminho, isso significa que eles estão na frente, como um soldado batedor em uma unidade de infantaria em patrulha. Assim como o trabalho do batedor é a liderança da unidade e evitar o perigo, assim também o papel especial do povo judeu na história é levar a humanidade ao seu objetivo. Assim como o batedor enfrenta o perigo extra porque ele está na frente com responsabilidade acrescida, assim também o povo judeu sempre enfrentaram desafios e perigo. Para entender essa analogia é entender o que está realmente por trás do anti-semitismo e a maneira escandalosa que o Estado de Israel e o povo judeu são sempre julgados com dois pesos e duas medidas. (2) Porque os judeus escolheram para si essa responsabilidade única, que nunca será permitida ser como qualquer outra pessoa. O profeta Balaão disse muito bem: “Eis que [O Povo Judeu]é um povo que habita só, e entre as nações não será contado.” (Números 23: 9)

Se quisermos traçar a evolução histórica de retorno da humanidade a Deus com o povo judeu liderando o caminho, ele ficaria muito parecido com o do gráfico de Wall Street desde 1930: Houve grandes altos e baixos, mas no quadro geral é um tremendo crescimento . Assim também com a nossa história. 3.700 anos atrás Avraham era praticamente a única pessoa que acredita em um Deus. (3) Hoje, existem milhares de milhões de pessoas, cristãos e muçulmanos, que acreditam na visão de mundo que se baseia no judaísmo. Nós ainda temos um caminho a percorrer, mas a humanidade tem sido alterada radicalmente por idéias introduzidas por Abraham quase 4.000 anos atrás. (4)

Tempo judaico

A compreensão judaica tradicional do fluxo da história é semelhante ao encontrado em todas as grandes histórias épicas: A trama se desenrola dentro de um prazo finito e é uma estratégia claramente delineada em um começo, um meio e um fim. No mais amplo dos traços do Talmud, no tratado 97a do Sanherin, estabelece os temas básicos e períodos da história:

O mundo está a existir por seis mil anos. Nos dois primeiros mil houve desolação; dois mil anos, a Torá floresceu; e os próximos dois mil anos é a era messiânica …

Os seis mil anos mencionados no Talmud não é calculado desde a criação do universo, mas sim a partir do nascimento de Adão e espelha o ciclo semanal. Assim como a semana judaica começa no domingo e vai até sexta-feira, assim também é a história humana é composto por um máximo (5) de seis milênios de história como a conhecemos. No final deste ciclo semanal entramos no sábado, um dia de espiritualidade e de descanso, também após um máximo de 6.000 anos de história, a humanidade vai entrar no sétimo milênio chamado de “o mundo vindouro”, em hebraico “Olam Haba”. O Mundo Vindouro é sinônimo do Jardim do Éden e representa o culminar do processo de retorno a Deus e aperfeiçoar o mundo (ver Derech Hashem 1: 3: 4)

Vemos esta citação no Talmud que esses 6.000 anos estão subdivididos em três períodos de 2.000 anos cada um com seu próprio tema. Os primeiros 2.000 anos, desde Adão até a Torre de Babel é chamado de desolação. O tema deste período: a Humanidade é espiritualmente desolado e não tem nenhuma relação com Deus.

O segundo período de 2.000 anos, desde Abraão até a conclusão da Mishná c 240 E.C, é chamado de Torá. O tema deste período é a história nacional judaica na Terra de Israel e o florescimento da Torá (a lei).

O período de 2.000 último ano, a partir 240 E.C até o ano de 6000 (o ano de 2240 E.C), é chamado de Messias. O tema desta fase final é o retorno da humanidade a Deus (liderada pelo povo judeu). No final deste período, mas antes do ano de 6000, vem a Era Messiânica, que é a fase preparatória final antes que a humanidade entra no mundo por vir. (6)

Então, onde é que nós, hoje, se encaixam nesta cronologia tradicional? Estamos no período final 2000 anos. Especificamente, no fim do sexto milênio, Sexta-feira no final da tarde, perto da abordagem do sábado. A partir da perspectiva judaica estamos em pé na borda da história, se aproximando rapidamente o capítulo climático final da história humana, que precede a redenção final.

Ciclos em história

Outra consequência profunda da concepção judaica de Deus é o conceito de ciclos da história. Por milhares de anos, através do início do século 20, a antiga concepção grega de tempo dominou: o tempo sempre existiu e vai assim para sempre. Não há começo ou fim, é como correr em uma esteira – você corre, corre, corre mas no final você vai a lugar nenhum. Os gregos antigos (e outras culturas pagãs) também acreditava que os deuses criaram os seres humanos para servi-los. Você foi colocado no mundo sem controle sobre seu destino. Na antiga literatura grega o tema da tragédia é a futilidade de lutar contra seu destino. Combinar esses dois conceitos, a infinidade de tempo e o fatalismo e você acaba tendo uma visão muito negativa e sem autorização da história e o seu  destino: você não está realmente indo em qualquer lugar e as suas decisões, não importa.

O tomada judaica sobre o destino e história era radicalmente diferente. Parece algo como isto:

Como uma mola gigante, esta forma representa a ideia de repetição que não é estática. Isto é como o Judaísmo entende tanto o feriado e os ciclos da história funcionam. Enquanto os feriados de outras nações são puramente comemorações de eventos históricos passados, feriados judaicos, ao comemorar o passado, também são oportunidades para o futuro. Cada feriado no ciclo anual tem um tema – um poder espiritual único específico associada a ele: Páscoa é o feriado da liberdade/livre-arbítrio; Sucot é o feriado de alegria/como usar corretamente o mundo físico. Como viajamos através deste ciclo anual e encontrar estas férias, devemos crescer em nossa compreensão destes conceitos básicos semelhantes a obtenção de uma atualização de software anual. Se perdermos a oportunidade, temos que esperar até que vem por aí no próximo ano. A ideia é que não são estáticos  e que avançamos, nós crescemos.

Esta é também a forma como o ciclo da história funciona. Ao contrário dos gregos fatalistas, o Judaísmo entende que temos o livre-arbítrio; nossas decisões importam; nós controlamos o nosso destino. Porque o nosso destino está em nossas mãos, temos de ganhar o nosso progresso – se individualmente durante a nossa vida ou coletivamente durante o curso da história humana, cabe a nós tomar a decisão certa e seguir em frente. Porque temos de ganhar o nosso progresso para a frente através de nossos próprios esforços, estamos constantemente reciclados através de desafios que nos permitem usar nosso livre arbítrio para tomar as decisões corretas e seguir em frente. Se não decidir ou tomar as decisões erradas que serão reciclados através do mesmo desafio novamente até acertar. Então como é que nós sabemos o que as decisões corretas? Há duas possibilidades: tentativa e erro (que pode ser um processo muito longo e doloroso) ou aprender com o passado histórico – usando como nosso guia.

É precisamente por esta razão que temos de aprender e compreender a história judaica. O grande sábio judeu do século 13 Nachmanides disse: As ações dos pais são um sinal para as crianças.

Este é um ditado judaico muito famoso e Nachmanides não foi o único a dizê-lo. O que isso significa?

No nível microscópico, dentro das histórias do Gênesis na Bíblia, no início da história judaica,  veremos que o que acontece com os primeiros personagens na narrativa será repetida por seus filhos.

Em um nível macroscópico, as personalidades e interações dos primeiros antepassados – os patriarcas e matriarcas – vai ser um modelo para toda a história judaica, e toda a história humana. É por isso que nós temos que prestar  mais atenção ao que está acontecendo nesta fase inicial da Bíblia, porque aqui é onde os padrões são definidos. Neste início de narrativa encontra-se o mapa, e o guia para o futuro. O destino do povo judeu, seus pontos fortes, pontos fracos e relacionamento com os gentios, tudo isso é revelado no início da história judaica da Bíblia. A história judaica é o destino judaico. Aprender com o passado é a chave para tomar as decisões certas sobre o futuro.

Isto é o que vamos concentrar-nos neste curso. Os nomes, datas e locais são bom saber, mas as lições do passado são essenciais para aprender para o bem do povo judeu e à humanidade.

Além disso, devemos lembrar que o povo judeu é, indiscutivelmente, os mais antigos sobreviventes no planeta Terra, e porque eles foram espalhados por todo o mundo, quando aprendemos a história judaica, temos de prestar atenção a toda a história humana. É uma grande estrutura para a história do mundo. Para entender a história judaica significa construir uma grande quantidade de conhecimento geral da história do mundo em geral.

Próxima Aula:

A Bíblia como história


Notas:

1) Para mais informações do tema da Bíblia e da ciência, da criação e da idade do universo ver:

-Aviezer, Nathan. Fossils and Faith-Understanding Torah and Science. Hoboken, N.J.: Ktav, 2002.

-Aviezer, Nathan. In the Beginning-Biblical creation and Science. Hoboken, N.J.: Ktav, 1990.

-Schroeder, Gerald. Genesis and the Big Bang Theory. New York: Bantam, 1990.

-Schroeder, Gerald. The Hidden face of God-Science reveals the Ultimate Truth. N.Y.: Touchstone, 2002.

-Schroeder, Gerald. The Science of God-The Convergence of Science and Biblical Wisdom. N.Y.:Free Press, 1997.-Schroeder, Gerald. A Ciência de Deus-A Convergência da Ciência e sabedoria bíblica. N.Y.:Free Press, 1997.

2) O colunista, Charles Krauthammer, disse isso muito bem: “Os judeus são notícia” Tudo o que um judeu ou melhor ainda o Estado judeu, Israel, faz, ele sempre está nas manchetes. São dois pesos e duas medidas  ao qual o mundo detém Israel é nada menos do sobrenatural. O fato de que dois terços de todas as resoluções da ONU passadas desde 1990 condenaram Israel é exemplo clássico deste ponto. Ninguém parece se importar que Israel, a única democracia no Oriente Médio, é cercada por 22 não-democrática, Estados Árabes totalitária com poucos ou nenhuns direitos humanos ou liberdade de expressão. Síria ocupa o Líbano durante décadas, mas o mundo ignora. Pol Pot mata 1,5 milhão de cambojanos na década de 1970 no entanto, a ONU nunca passou uma resolução condenando-o, no entanto, quando Israel começou a construir uma cerca para impedir a entrada de homens-bomba, o mundo enlouquece. Um levantamento União Europeia de 2003 listaIsrael como o país número um no mundo ameaçando a paz mundial eixando para fora essas nações amantes da paz, como a Coréia do Norte, Irã, Síria e Líbia.

3) A tradição nos diz que Shem and Ever, descendentes de Noé, continuaram a tradição monoteísta do Noah. (Veja Megillah 12a; Rashi, Genesis 28: 9)

4) Vamos falar mais sobre esse assunto quando chegarmos ao capítulos sobre o cristianismo e o islamismo.

5) Assim como é um costume judaico aceitar o sábado mais cedo (antes do sol na sexta-feira) assim também podemos inaugurar esta fase final da história antes do ano judaico de 6000, que é prazo.

6) O conceito de Messias é central para o cristianismo, mas tem origem em fontes judaicas (A palavra Messias vem do significado mashiach palavra hebraica para unção (“Cristo” em grego) ou, neste caso, escolhido por Deus). O trabalho do Messias é preparar a humanidade para voltar ao estado ideal que existia antes da queda da humanidade no Gênesis. Esse futuro, o estado ideal é chamado Olam habah, “o mundo vindouro.” A Era Messiânica que procede este período é introduzido pelo Messias, um descendente do Rei Davi. todo o período é caracterizado pelo retorno coletivo do povo judeu ao judaísmo e Israel e culmina em todo o mundo retornando para o relacionamento com Deus. Maimonides resume o conceito de Messias como se segue:

O Rei Messias surgirá e restaurar o reinado de Davi à seu antigo estado original e soberania. Ele irá reconstruir o santuário e reunir os dispersos de Israel. Se levantar um rei da Casa de David que medita na Torá, ocupa-se com os mandamentos … prevalece sobre Israel para andar nos caminhos da Torah … guerreia as guerras do Senhor, pode-se supor que ele é o Messias. Se ele faz essas coisas e consegue, reconstrói o santuário em seu local, e reúne os dispersos de Israel, ele é sem qualquer dúvida, o Messias. Ele vai preparar o mundo inteiro para servir ao Senhor juntos (veja Mishná Torá; Leis dos Reis Cap.12)


Questionário

Baixe o questionário, responda e entregue ao seu tutor. (Clique no
ícone abaixo ou clique AQUI).

1)Na famosa tragédia grega “Édipo e Jocasta”, o herói da história o Rei Édipo visita o oráculo de Delfos que prevê que ele irá matar seu pai e casar-se com sua mãe. Horrorizado fugiu de Corinto para que a profecia não se cumprisse. O que ele não sabia, é que ele era um filho adotivo. E em suas andanças, acabou matando seu pai e se casando com sua mãe. Baseado no texto, explique com suas palavras as diferença entre cultura helenística e judaica.

2) De acordo com a cultura judaica, qual foi o marco que inicia a história judaica? E qual marco na humana coincide com essa período?

3)Algumas religiões possuem o conceito de troca de favores com Deus, onde em troca de alguma coisa, seus deuses os dará algo em troca. Explique: a) Como se dá a relação entre Deus e o Homem. b)Deus precisa de algo de nós? c)O que Deus nos dá?

4) “Aquenáton, conhecido antes do quinto ano de seu reinado como Amenófis IV ou em egípcio antigo Amenhotep IV, foi Faraó da XVIII dinastia do Egito que reinou por dezessete anos e morreu em 1336 ou 1334 a.C. Ele é principalmente lembrado por abandonar o tradicional politeísmo egípcio e introduzir uma adoração centrada em um único deus, Aton, que é as vezes descrita como monoteista ou henoteista. Inscrições antigas ligam Aton ao Sol comparado às estrelas, com a línguagem oficial posterior evitando chamá-lo de um deus, dando a deidade solar um status acima dos meros deuses” – Para muitos historiadores, Aquenáton foi o primeiro monoteísta da história humana. Na sua opinião, qual seria a diferença entre o Deus de Avraham e o deus de Aquenáton?

5) Já que o povo judeu é o povo escolhido. Isso quer dizer que Deus ama seu povo, mais do que Ele ama os outros povos? Justifique?

6) De acordo com a pergunta anterior. Qual a missão do povo judeu em ser o povo escolhido.

7) Quais são os períodos da história judaica?

8) “O ser humano desenvolveu tecnologias que nos possibilitou ir ao espaço, nos comunicarmos em tempo real com qualquer pessoa em qualquer parte do globo, curou doenças que antes matavam milhões, etc. De contrapartida vemos que vários comportamentos que a humanidade tinha nos tempos bíblicos ainda se repetem tais como: Inveja, cobiça, crimes, maledicências, guerras, intrigas, etc.”

Em sua opinião, o ser humano evoluiu? Justifique.

Author: André Ranulfo

É o editor e web designer do site ShaareiShalom.net.
Também é fundador e atual presidente da Congregação Judaica Shaarei Shalom.

Comments

comments

André Ranulfo

É o editor e web designer do site ShaareiShalom.net.
Também é fundador e atual presidente da Congregação Judaica Shaarei Shalom.

Deixe uma resposta

Assine nossa lista de e-mails agora!

Assine nossa lista de e-mails agora!

Fique sempre informado de todas os nossos estudos, artigos, notícias e muito mais. É só preencher o formulário abaixo com seu nome e e-mail. Nós da SHAAREI SHALOM ficamos muito felizes em ter você em nossa lista de amigos.