Behaalotecha – 5776

1) Parashá Behaalotechá, Bamidbar/Números 08:01 – 12:16: Aron é ordenado a acender a Menorá (candelabro) e os Levitas a se purificarem para servir no Tabernáculo (estes treinavam dos 25 aos 30 anos, e serviam dos 30 aos 50 anos). O 1◦ Pessach é celebrado, desde a saída do Egito. D´us instrui as israelitas a viajar pelo deserto toda vez que as nuvens (que sempre acompanhavam o Povo) se elevarem sobre o Tabernáculo e a acamparem quando as nuvens retornarem para cima dele. Moises é instruído a fazer 2 trombetas de prata para serem soadas antes das batalhas ou para proclamar algum Yom Tov (dia santificado). O Povo viaja para o deserto de Paran, período no qual se rebelam 2 vezes contra a liderança do Todo-Poderoso. Na 2◦ vez, reclamam do gosto desinteressante do Mána (o alimento que D’us lhes enviava diariamente, menos no Shabat, pois na sexta-feira recebiam porção dupla) e da falta de carne no deserto. D’us, então, lhes manda uma enorme quantidade de codornizes e muitos morrem de tanto comer. Moises convida seu sogro, Yitró (Jetro), a viajar com eles no deserto, mas ele retorna a Midián. Miriam, a irmã de Moises, fala Lashón HaRá (palavras difamatórias) sobre Moises. É acometida de Tsaráat (uma doença espiritual na pele, que indicava que a pessoa havia falado impropriamente sobre outra) e fica exilada fora do acampamento por 1 semana.

Dvar Torá: baseado no livro, Crescer Pela Torá, do rabino Zelig Pliskin – A Torá nos informa que D´us ordenou Moshe a instruir Aron como acender a Menorá. A Torá, então, declara: “E Aharon o fez … da forma que D’us ordenou a Moshe”. Por que a Torá nos relata isto? Será que pensaríamos que Aron não cumpriria a ordem da maneira que lhe havia sido explicado?  O Sfát Emet, rabino Yehuda Leib Alter (Polônia, 1847-1905), explicou que, geralmente, quando uma pessoa inicia algo novo, sente-se muito entusiasmada com o que está fazendo. Com o passar do tempo, entretanto, o entusiasmo e a excitação diminuem. Este foi o mérito de Aron: todas as vezes que acendeu a Menorá no Tabernáculo, ele o fez com o mesmo entusiasmo que teve no 1º dia. Para conseguirmos qualquer coisa na vida, temos que ter a habilidade de manter o entusiasmo – de outra forma, ficaremos chateados ou desistiremos. A lição que aprendemos de Aron é que devemos focalizar no valor e no significado do que estamos fazendo, e encararmos tudo (inclusive o relacionamento com nosso cônjuge) como se fosse a 1◦ vez! …Considerando que fomos todos convertidos no Monte Sinai, sua experiência é uma lembrança de que somos todos judeus graças ao nosso próprio ato de aceitação da Torá. O Judaísmo não é uma característica racial e nem é automático para ninguém; na realidade é baseado na conversão e na aceitação da Torá até mesmo para os filhos de Abrão.

Author: admin

Comments

comments

Deixe uma resposta