Cultivar Novos Líderes – [Parashat Pinchas]

Parashat Pinchas (Bamidbar/Números 25: 10-30: 1)

Saudações cidade santa de Jerusalém!

A parashat desta semana contém a história explosiva de Pinchas (Finéias – sobrinho-neto de Moisés), que vê um ato de imoralidade sendo cometidos entre Zimri, o príncipe da tribo de Shimon, e Kozbi (Cozbi), uma princesa midianita. Pinchas toma medidas rápidas a eliminar estas duas pessoas, que posteriormente cessa a praga D’us enviou como punição, salvando inúmeras vidas judias.

O Talmud (Sanhedrin 82a) completam o quadro do que ocorreu antes que Zimri se uniu com Kuzbi à vista do público. Zimri desafiou a Moisés: “Filho de Amram! É esta midianita proibida ou permitida para mim? Se você diz que ela é proibida, quem  te deu permissão para se casar com sua esposa madianita, Tzipporah (Zípora)?”

(Moisés casou Tzipporah antes da entrega da Torá, momento em que não havia nenhuma proibição contra o casamento com mulheres midianitas, ao passo que o ato de Zimri foi realizado após a entrega da Torá, quando a proibição estava em pleno vigor. Além disso, Moisés tinha convertido Tzipporah . pré-Torá ao “judaísmo”, enquanto que Zimri não tinha tais intenções. No entanto, estas questões eram de nenhum interesse para Zinri, às vezes, as pessoas simplesmente não estão interessados em respostas).

De acordo com o Talmud, no momento em que Zimri apresentou seu desafio, Moisés esqueceu a lei que ele havia recebido de D’us no Sinai: A saber, que um zelote deve tomar medidas para eliminar o judeu autor de tal ato imoral. O esquecimento momentâneo de Moisés causou um surto de choro entre toda a nação (Bamidbar/Números 25: 6).

Esta história apresenta diversas dificuldades. Primeiro de tudo, por que Moisés, ao esquecer uma lei, provocou tantas lágrimas? Há maiores tragédias para se chorar! Além disso, a situação não era irreversível; seria simplesmente ter um momento para Moisés para pedir a D’us qual era a lei!

Outra questão intrigante refere o comentário do Talmud (Sanhedrin 82a) que era Pinchas, que lembrou a Moisés da lei que ele havia esquecido e  mesmo depois de Moisés tinha sido lembrado, foi Pinchas, e não Moisés, que realizou a punição de Zimri. Isso parece estranho. Uma vez que a memória de Moisés tinha sido refrescada, ele mesmo deveria ter efetuado o comando!

Isto é por duas razões. Em primeiro lugar, é sempre melhor para executar uma mitzvah do que para nomear alguém para fazê-lo (Kiddushin 41a). Em segundo lugar, Pinchas veio da linhagem de menos-que-ideal, e sua ação poderia ter sido criticada: Como poderia um “descendente de idólatras” ter tido a audácia de eliminar um príncipe de Israel? Considerando que, se Moisés era para ter sido o único a eliminar Zinri, ninguém teria ousado para comentar.

Orando pelos enfermos

Uma visão útil pode ser adquirida a partir do Talmud (Bava Batra 116a), que afirma que qualquer pessoa com um membro da família doente deve ir a um tzaddik (justo) para que o tzaddik possa orar em nome da pessoa doente. Este é um comentário preocupante. Por que precisamos de pessoas santas que orem por nós? Não podemos orar por nós mesmos? O Me’iri (em Beit HaBechira) explica que somos instruídos a ir para uma pessoa justa, a fim de observar como a pessoa justa reza. Observando o homem justo, então, nos ensinará a orar por nós mesmos. A partir daqui, o Rabino Zev Leff aponta que o papel de um líder é ensinar as pessoas a funcionar por conta própria. Um líder não se destina a atuar, no lugar das pessoas; em vez disso, um mestre deve produzir outros líderes, não apenas seguidores.

Esta ideia vai nos permitir resolver os dois problemas que levantamos antes. As pessoas não choraram porque Moisés esqueceu a lei; ao contrário, eles choraram porque o esquecimento de Moisés os levou a reconhecer a sua própria falta de iniciativa. A nação inteira estava ciente da morte iminente de Moisés, e eles ficaram apavorados sobre o seu destino. Quem seria o próximo a liderar o povo? Eles estariam desamparados quando Moisés fosse embora? Por alguns momentos, todos ficaram em volta olhando para o outro, sem saber o que fazer. Este cenário foi certamente algo para chorar, porque Moisés teria falhado como um líder se não tivesse produzido pessoas que poderiam liderar na sua ausência.

Esta ideia também nos ajuda a entender por que Pinchas tinha que ser o único a agir, e não Moisés. Mesmo depois que Moisés foi lembrado da lei, ele intencionalmente se conteve de agir. Ele fez isso para ver se ele tinha sido bem sucedido como um líder – ou seja, se ele tivesse conseguido produzir outros que sabiam como liderar.

Que todos nós sejamos abençoados para entender que um líder judeu não age no lugar das pessoas, mas fornece um modelo a seguir. Com isto em mente, vamos todos aprender com os grandes nomes em torno de nós e incutir em nossos filhos a confiança e habilidade para ser os líderes da próxima geração.

Por: Aba Wagensber

Traduzido por: André Ranulfo

Author: admin

Comments

comments

Deixe uma resposta

Assine nossa lista de e-mails agora!

Assine nossa lista de e-mails agora!

Fique sempre informado de todas os nossos estudos, artigos, notícias e muito mais. É só preencher o formulário abaixo com seu nome e e-mail. Nós da SHAAREI SHALOM ficamos muito felizes em ter você em nossa lista de amigos.