Curso: Temas do Chumash Nº19 – A rebelião de Korach.

Esta aula faz parte do curso Temas do Chumash. Neste aula, iremos estudar o tema da rebelião de Korach no livro de Bamidbar/Números. Coré ou Corá 10 mandamentos engolido terra 


Korach é um dos principais levitas, mas em vez de apreciar sua posição, ele escolheu a ridicularizar a liderança de Moisés e tenta configurar uma liderança alternativa. Ele clama a nação e, desafiando a monarquia de Moisés, proclama: “A nação inteira é santa e por que você Moisés é senhor sobre nós?” (Bamidbar/Números 16: 3). Este toque de clarim para “justiça e igualdade” ressoa com o homem moderno. No entanto, após um duelo no Mishkan (Tabernáculo) ao pôr-do-sol usando queimadores de incenso, ao invés de pistolas Colt 45 – Os verdadeiros motivos egoístas de Korach são revelados a todos. A rebelião falha e ele e seus seguidores são engolido vivo pela terra.

Para uma compreensão mais profunda desses eventos, temos de explorar:

  • Quem foi Korach? Como é que ele teve status para rebelar-se contra Moisés e prestigio para que as pessoas realmente o ouvissem?
  • O que lhe provocou a começar esta rebelião?
  • Se Moisés levou o povo judeu do Egito, pragas, através do Mar Vermelho, e para o Monte Sinai, como é que Korach conseguem convencer alguém a se rebelar contra Moisés?
  • Por que a punição de Korach a ser engolido vivo pela terra?

Prestigio levita

Após o pecado do Bezerro de Ouro, o privilégio de servir no Tabernáculo foi dado à única tribo que não se juntou a seu culto, os levitas. Esta tribo foi dividida em dois grupos:

Cohanim  – Composto de Aarão e seus descendentes. Cohanim é o plural de Cohen, que quer dizer sacerdote.

Levitas – toda a gente da tribo de Levi

Os Cohanim faziam a efetiva entregas das ofertas, enquanto os levitas eram um grupo auxiliar que executava outras funções. No deserto, a sua principal função era levar o Mishkan portátil; uma vez que o templo foi construído, suas principais funções eram o acompanhamento musical ao serviço do Templo, e servindo como guardião do portão.(1)

Korach era um levita, que tinha uma das posições de maior prestígio – transportando a Arca com os Dez Mandamentos. Além disso, ele foi o terceiro mais velho dos bisnetos de Levi, depois de Moisés e Aaron (2).

Além disso, o Talmud (3) enfatiza a riqueza de Korach: Ele exigiu uma caravana de 300 mulas apenas para transportar as chaves tesouro de sua casa! Foi essa grande riqueza que deu Korach uma sensação de poder e direito – que então se manifesta de modo inadequado. O desafio da riqueza é usá-lo para o aperfeiçoamento da humanidade, e para evitar usá-lo como um suporte para o ego. Isso foi erro fatal de Korach.

Esta combinação lhe deu o poder com o senso altura para se rebelar contra Moisés.

Sentimento de falta

Se Korach era tão proeminente, o que estava faltando que o levou a se rebelar? O Talmud (4) apresenta três causas:

1) Quando a administração dos levitas foi estabelecida, Korach se viu como o príncipe natural dos levitas, com base em sua classificação entre os bisnetos de Levi. Assim, quando um ramo mais jovem da família recebeu a nomeação, Korach fervia de ódio. Ele questionou a integridade de Moisés, e acusou-o de nepotismo.

2) Para inaugurar os levitas no serviço, houve um processo, que incluiu trazer as ofertas, uma remoção completa de todo o cabelo e imersão em um mikveh. E então, o ponto culminante foi que cada levita foi realmente levantada por Aaron e acenou para lá e para cá. Isso representou serem espiritualmente elevado a novo nível.

Quando Korach voltou para casa, sua esposa estava esperando com comentários sarcásticos: “Então, você está raspada, e depois balançado que nem um boneco ?! Você se permitiu ser feito de bobo por Moisés e Arão! “Isso partiu o ódio do Moisés de Korach e levou-o para o caminho da rebelião.

3) Uma vez que Korach foi raspado como parte do processo de tomada de posse, ele estava irreconhecível. Quando ele desceu a rua, em vez de ser recebido com honra e deferência, ninguém o reconheceu sem o seu cabelo e barba. Este golpe para o ego dele o levou a planejar uma vingança sobre Moisés.

Desafio estratégico

Moisés tinha realizado grandes feitos para o povo judeu. Então, como ele poderia começar a minar a liderança de Moisés?

Na verdade, o povo judeu tinha acabado de sofrer uma série de contratempos. Um grupo de judeus haviam sido mortos em um incêndio (5), outro grupo tinha morrido em uma praga (6), e toda a nação tinha sido decretado a vagar 40 anos no deserto (7).

Ainda assim, para atacar Moisés ou diretamente D’us seria impossível. Então Korach tentou criar uma diferenciação artificial entre os mandamentos de D’us, e o que poderia ser percebido como própria interpretação de Moisés, por exemplo:

O povo judeu tinha sido recentemente informado da mitzvah de tzitzit – o requisito para amarrar franjas na extremidade de uma roupa de quatro cantos. As franjas eram para ser feitas de dois tipos de cor, branco e techeilet, uma cor azul real (8).  Korach fez roupas completamente de techeilet e não atribuiu tzitzit. Em seguida, ele vestiu um grupo de seus amigos nestas peças de vestuário e os trouxe diante de Moisés.

“Será que estas peças de vestuário exigem tzitzit?”, Perguntou Korach. “Sim”, respondeu Moisés.

Nesse ponto, Korach começaram a ridicularizar Moisés, com o seguinte argumento: Se um segmento de techeilet é suficiente para fazer a peça de vestuário, então uma peça inteira de techeilet é certamente suficiente

Korach posou o mesmo tipo de pergunta sobre a mezuzá. Se um quarto exige uma rolo de mezuzá na sua ombreira, qual seria a regra para uma sala cheia de rolos da Torá? Não deveria ser isentos da necessidade de um mezuzah? “Não”, Moisés respondeu: “um quarto requer um mezuzah não importa o que o seu conteúdo.”

Korach, em seguida, lançou-se um grande ataque contra Moisés: “Você afirma estar falando em nome de D’us, mas é óbvio que a sua lógica está com defeito e Deus não poderia ser o autor destas leis. E assim como você está sendo ilógico nessas situações, assim também as suas escolhas para posições de liderança não são Divinas, mas seus próprios desejos pessoais. “Korach, em seguida, virou-se para o povo e, reivindicando para representar as pessoas comuns, rejeitadas na liderança de Moisés (9).

Moisés, com muita calma, não responde. Ele percebe que não existe uma boa defesa contra o ridículo e sarcasmo. As pessoas estão predispostas a acreditar no pior dos seus líderes, e mais ainda quando eles não podem ver a lógica de suas ações. No caso de Moisés, era o sistema de halacha que estava sob ataque. Esta é a abordagem que foi ensinada Moisés no Sinai, e sua estrutura única nem sempre pode ser percebida na superfície como lógico.

Então Moisés tenta conter a rebelião – não por argumentos lógicos, mas por meio da humildade. Ele, pessoalmente, vai para Korach e os outros líderes dessa rebelião e implora-los a aceitar sua liderança como vindo de D’us. No entanto, seus esforços são percebidos não como força, mas sim como fraqueza. Korach pensa que tem Moisés nas cordas, e se recusa a recuar.

Neste ponto, Moisés faz um pronunciamento inacreditável. Apesar de sua grande humildade, ele proclama que Korach e sua rebelião diante de uma escolha. Eles podem retratar-se, ou eles podem aceitar a liderança de Moisés, em todos os seus aspectos. Se optar por não aceitar, eles vão pagar um preço alto. Moisés especifica que a punição será uma nova criação, diretamente de D’us,  em resposta ao pedido de Moisés.

Moisés aqui está fazendo o ponto perfeitamente claro: “Você diz que eu estou agindo por conta própria, sem a direção de D’us. Mas vou demonstrar exatamente como em sintonia Deus e eu somos. Eu virei com novo castigo, e D’us vai concordar com minhas direções. Se isso funcionar, então é óbvio que sou um verdadeiro agente de D’us. Minhas decisões haláchicas e escolhas pessoais também são diretamente de Deus. Se, no entanto, isso não acontece, mesmo que Korach seja punido, mas não exatamente como eu dirigi, então isso prova que eu sou um impostor. ”

Quando a terra se abre e engole Korach, todas essas dúvidas são colocadas ao chão. A relação entre D’us e Moisés é perfeita e clara. Nada que Moisés faz é sem a conexão direta com D’us. Assim termina a rebelião de Korach.

Lições para hoje

No nosso tempo, nós não temos um Moisés com uma linha tão direta a D’us. No entanto, nós temos pessoas tementes a D’us que tentam entender Suas diretrizes as seguem.

E quanto a Korach, infelizmente, nós temos muitos deles hoje. Estes são aqueles que usam o sarcasmo e zombaria para tentar furar os motivos puros e altruístas de pessoas boas. Eles fomentam o descontentamento. Eles vestem-se sob o disfarce do populista que está preocupado com o homem comum. No entanto, eles são realmente lobos em peles de cordeiro, escravos do próprio ego.

O judaísmo vê as brigas como um dos pecados mais graves. Por quê? Porque a divisão contradiz a unidade essencial de D’us e prejudica a harmonia da criação (10).

Foi o ódio, ciúme e brigas internas que provocaram a destruição do Templo em Jerusalém (11).  E somente através do amor incondicional é que vai ser reconstruído. A Torá declara: “Não seja como Korach” (Números 17: 5). Esta é uma proibição contra brigas (12). Saiba o seu lugar, e respeite aqueles que merecem. Esta é a lição da rebelião de Korach.

Para pensar e comentar:

  • Em algum momento da sua vida, você já se deparou com Korach? E como você conseguiu resolver a situação?
  • Qual a diferença entre Lei Divina (Mitzvah) e Lei Rabínica (Halacha) e aonde podemos encontrar essas duas leis na rebelião de Korach?
  • Muitas pessoas que desconhecem as interpretações judaicas, interpretam que D’us, nessa passagem é um D’us mal e ditatorial. Mas na sua opinião, como você entende a punição dos rebelds de Korach?

Por: 

Traduzido e adaptado por: André Ranulfo

 

Notas:

  1. Talmud – Archin 11a
  2. Midrash Rabba (Numbers 18:2); Rashi (Numbers 16:1)
  3. Pesachim 119a
  4. Sanhedrin 110a
  5. Numbers 11:1-3
  6. Numbers 11:33
  7. Numbers 14:29, based on Nachmanides.
  8. Numbers 15:38.
    Techeilet é um corante azul feito a partir do sangue do chilazon ( Talmud – Menachot 44a) , uma criatura do mar encontrada na costa do norte de Israel . Nós não usamos o fio azul hoje, porque cerca de 1300 anos atrás, o segredo da techeilet foi perdido. Nos tempos modernos, várias espécies de caracóis têm sido sugeridas como o chilazon original usado para fazer techeilet. Hoje, embora alguns estudiosos defendem o uso de “franjas de techeilet” destes caracóis, a maioria dos judeus observantes usam apenas tzitzit branco – que ainda estão aptos para uso, mesmo sem a corda azul. (Mishná – Menachot 4: 1)
  9. Talmud Yerushalmi – Sanhedrin 10:1
  10. Midrash – Bamidbar Rabba 11:7
  11. Talmud – Yoma 9b
  12. Talmud – Sanhedrin 110a

Fonte:

http://www.aish.com/jl/b/chumash/Chumash-Themes-19-Korachs-Rebellion.html

Author: André Ranulfo

É o editor e web designer do site ShaareiShalom.net.
Também é fundador e atual presidente da Congregação Judaica Shaarei Shalom.

Comments

comments

André Ranulfo

É o editor e web designer do site ShaareiShalom.net. Também é fundador e atual presidente da Congregação Judaica Shaarei Shalom.

Deixe uma resposta