Curso: Temas do Chumash Nº2 – O propósito da Criação

Bereshit/Genesis – capítulos 1-2

 “No início D’us da criação, D’us criou o Céu e da terra de.” (Bereshit/Gênesis 1:1)

Nesse estudo iremos entender:

  • Porque Deus nos criou?
  • Porque Deus não criou o mundo perfeito?
  • Se Deus é bom, porque existe o mal?

Por: Rabino Noson Weisz

A frase “No início” não aborda a questão quando; é a definição da Torá de ser. Toda a existência criada é perpetuada no início. Se deixada por seus próprios meios, a criação iria desaparecer de volta para o vazio no segundo em que o Todo-Poderoso tirasse os olhos dela, como estava antes. O Todo-Poderoso não só criou o universo, Ele também a manteve, renovando perpetuamente a obra da criação se Ele quiser mantê-la existindo.

Fazemos este ponto enfaticamente em nossas orações diárias. Começamos as bênçãos do Shemah, declarando “Aquele que ilumina a terra e os que habitam sobre ela com compaixão, e em Sua bondade renova diariamente, perpetuamente, a obra da criação.”

Esta maneira de olhar o mundo é bem diferente da teoria de que o universo se separou de seu Criador há 15 bilhões de anos atrás, na ocorrência do Big Bang. A teoria é algo assim: Sem dúvida, o Big Bang foi obra de D’us, mas em seguida, as leis da natureza tiveram início; o universo que vivemos tem sido moldado pelas forças da natureza, como explicado pela ciência. Sendo esta teoria verdadeira, que seria lançada a partir da necessidade de se preocupar com o propósito e o significado da criação. Seja qual for o significado e propósito possam ter sido, eles não mais são relevantes, uma vez que não estariam mais envolvidos com D’us. Ele nos deu a vida e existência e teria nos abandonou aos nossos próprios recursos.

“No princípio” rejeita esta teoria. D’us deve ficar permanentemente envolvidos para manter o universo em execução. Ele ainda tem um interesse ativo e contínuo no processo de criação e impede que o universo desapareça e volte para o vazio incessantemente injetando força criativa Divina. Portanto, a busca pelo propósito e significado da criação é constantemente relevante.

Qual é esse propósito?

“No Início” tem uma importante implicação. Renovando constantemente os meios ao constantemente dar; o Todo-Poderoso está envolvido em dar-nos a criação em tempo integral, 24 horas por dia 7 dias a semana. O ato de dar necessita de um destinatário. Enquanto formos seres inteligentes, teremos a capacidade de desfrutar desse presente. Não é de surpreender que o Judaísmo sustente o conceito de que a criação é um ato de benevolência Divina.

Consequência das escolhas

Mas todas as formas de vida conscientes são sensíveis à dor, bem como ao prazer, ao sofrimento, bem como alegria. Como sabemos por experiências próprias, o universo em que vivemos tem quantidades muito iguais de ambos. Por que um Criador Onisciente e Onipotente que criou o universo para o receptor sapiente, criou um mundo que contém tanta dor e sofrimento? Certamente ele poderia ter feito um trabalho muito melhor!

A resposta: D’us criou o mundo em um estado perfectível; um universo imperfeito com o potencial para a perfeição. O mundo perfeito que esperamos do Todo-Poderoso está disponível, mas devemos realizá-lo através de nossos próprios esforços.

“Vê que pus diante de ti hoje a vida e o bem, a morte e o mal; […]

Tenho dado perante vós a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolherás pois

a vida, para que vivas tu e a tua descendência, “(Devarim/Deut. 30: 15-19).

Análises cuidadosas desta passagem conduz aos seguintes axiomas:

 

  1. O mundo pode ser aperfeiçoado por meio do exercício do livre arbítrio.
  2. O livre-arbítrio envolve em distinguir entre o bem e o mal.
  3. O bom exercício do livre-arbítrio é baseado no entendimento de que a escolha boa é escolher a vida e escolher o mal é escolher a morte.

A consequência de escolhas corretas é o mundo perfeito que esperamos do Todo-Poderoso; escolhas erradas criam um mundo imperfeito que atualmente habitamos.

Isto significa que, golfinhos, baleias e moscas não são os destinatários intencionados pelo Todo-Poderoso. Tais criaturas são incapazes de apreciar abstrações como o bem ou mau e, portanto, não têm livre arbítrio. Se fossem destinatários do Todo-Poderoso Ele deveria ter criado um mundo já perfeito – não um universo que necessita ser aperfeiçoado. O Todo-Poderoso declara que o mundo só pode ser aperfeiçoado por meio do exercício do livre-arbítrio e só o ser humano tem o poder de melhorar o mundo.

Aperfeiçoar este mundo

Então, por que o Todo-Poderoso nos colocou em um mundo com a árdua tarefa de aperfeiçoá-lo?

Não foi nenhuma surpresa para Ele que em um mundo cheio de dor e sofrimento teria o resultado provável de permitir que o homem decidisse como o mundo deveria ser. Afinal, foi o próprio Todo-Poderoso, que implantou as inclinações que fizeram o caminho da maldade/morte/maldição tão atraente para o homem quanto o caminho do bondade/vida/bênção. Mesmo que a dor e o sofrimento no mundo são atribuídas às nossas próprias escolhas mal direcionadas, estas escolhas imperfeitas eram certamente previsíveis para o Todo-Poderoso Onisciente. Faz sentido dar ao homem um mundo perfectível quando é bem provável que ele irá falhar para aperfeiçoá-lo como a perspectiva de atingir a perfeição?

Mas temos de ter cuidado aqui. Em uma escala global a preponderância das escolhas do livre arbítrio podem ter sido consistentemente ruim, mas houve muitos seres humanos individuais ao longo da história que seguiram o conselho do Todo-Poderoso e continuamente a escolher o bem e evitaram o mal. Certamente eles devem ter o direito de um mundo perfeito que o Todo-Poderoso ofereceu para aqueles que escolheram o bem. No entanto, esses indivíduos justos sofrem a dor deste mundo imperfeito, juntamente com o resto de nós. Como pode o justo Todo-Poderoso tratar as pessoas que seguiram seu conselho tão insensivelmente?

Devemos distinguir entre o individual e o coletivo em fazer sentido a tudo isso. Na verdade, a tradição judaica enfatiza precisamente tal distinção. Os indivíduos merecedores da história vão apreciar o mundo perfeito para sempre no Mundo Vindouro; quando tudo estiver pronto eles vão experimentar a ressurreição e retomar a vida em um mundo de pura alegria eterna. Enquanto isso suas almas esperam no Gan Eden, um mundo espiritual cheio de alegria, onde suas almas experimentam o gosto do futuro perfeito do mundo que virá.

Mas este estudo não é sobre a recompensa individual e punição ou sobre o Mundo Vindouro (Olam Habah). É este mundo que deve ser aperfeiçoado; o próximo já é perfeito desde o seu início. Toda a alma que o Todo-Poderoso pretende criar terá a sua oportunidade de exercer a sua vontade neste mundo e adicionar à sua perfeição. O mundo que virá será habitado por todos aqueles que contribuíram para aperfeiçoar o mundo que temos e a qualidade da perfeição naquele mundo será o resultado acumulado do alcance de todos aqueles que escolheram o “bem”, enquanto eles tiveram a oportunidade de praticar o seu livre-arbítrio neste mundo em que vivemos.

Dar incondicionalmente

Por isso, vamos retomar a nossa busca pelo significado e propósito do nosso mundo perfectível.

É bem sabido que não existe tal coisa como um almoço grátis. Mas há uma exceção: Lactentes e crianças obtém tudo absolutamente grátis. As coisas começam a custar à medida que crescemos em direção à maturidade. À medida que desenvolvemos a capacidade de aproveitar a nossa razão e aprendermos a nos disciplinar, é esperado que desenvolvemos gradualmente a capacidade de caminhar com os nossos próprios pés. Nós não respeitamos adultos maduros que precisam do tipo de apoio constante que as crianças necessitam. Um adulto bem-sucedido é um adulto independente. São aos adultos que falamos, “pague seu próprio almoço”. Ironicamente, mesmo quando estamos no modo generoso e sentimos vontade de doar coisas, nós preferimos expressar nossa generosidade, dando às pessoas que podiam pagar pelas coisas que iremos dá-las de qualquer maneira.

E, na verdade, até mesmo as coisas que damos aos nossos filhos têm amarras – nós consideramos como a entrada de investimentos no futuro. Com alegria fornecê-los gratuitamente, desde que tenhamos razões para antecipar que esse caminho não permitirá aos nossos filhos caminhar por conta própria, construir suas próprias vidas de forma independente e fazem-nos orgulhosos. Isso é o que chamamos nachas.

Pode ser triste, mas parece ser certamente verdade: nós, seres humanos raramente nos envolvemos em doações incondicionais.

A Torá tem uma explicação simples de por que somos assim; nós fomos criados à semelhança de D’us.

E Deus disse: “Façamos homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança, e que domine sobre o peixe do mar, sobre a ave dos céus, sobre o animal e em toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta na terra!”  E Deus criou o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; macho e fêmea criou-os.… [Bereshit/Gênesis 1: 26-27]

O mundo perfectível

Quando Ele criou nosso mundo perfectível, O Todo-Poderoso praticou benevolência conosco de maneira que nós praticamos benevolência para com os nossos próprios filhos. Ele nos deu essas palavras com intuito de nos ensinar as habilidades da vida que necessitamos para viver felizes como adultos independentes e capazes de ficar de pé sobre seus próprios pés no mundo perfeito que ele tinha em mente para nós.

O paralelo com a criação dos filhos não é perfeito; a Torá é sobre o livre-arbítrio e as escolhas. Em nosso mundo, temos de atingir a idade adulta antes de adquirir o controle sobre nossas vidas e estarmos em posição de fazer nossas próprias escolhas. Nós educamos os filhos; o Todo-Poderoso cria adultos. No entanto, se examinarmos as escolhas que o Todo-Poderoso nos oferece em Sua Torá, a metáfora da criação dos filhos é positivamente marcante.

Os ditames da Torá, é a definição do Todo-Poderoso do que é ‘bom’, abrangem as mesmas áreas da vida em que focamos ao criar nossos filhos.

Kashrut: Nós ensinamos nossos filhos a evitar os alimentos que eles, ainda muito jovem e inexperientes, possam reconhecer como uma ameaça a sua saúde; o Todo-Poderoso nos adverte contra as substâncias que não reconhecemos como espiritualmente contaminantes.

Relações ilícitas: Tentamos ensinar aos nossos filhos que as pessoas bem equilibradas evitam relacionamentos emocionalmente incapacitantes e envolvimentos casuais com pessoas potencialmente inadequadas; da mesma forma o Todo-Poderoso nos adverte que espiritualmente as pessoas saudáveis devem evitar relações que sejam dolorosas para os outros e/ou não produtivas.

Dias Santos: Nós tentamos educar nossos filhos para se dedicar o tempo para estimular suas mentes através da meditação e contemplação; o Todo-Poderoso nomeou dias Santo para nos treinar em mergulhar na vida do espírito e nos dedicar a lembrar do propósito da vida.

Estudar a Torá: Nós tentamos imprimir sobre nossos filhos a importância de uma boa educação; o Todo-Poderoso nos instrui a estudar a Torá, para que possamos saber como melhorar a qualidade da vida espiritual para nós mesmos e para os outros.

Leis das relações interpessoais: É especialmente importante ensinar às crianças que as pessoas socialmente ajustadas são pessoas disciplinadas que contem seus instintos naturais para se encaixarem perfeitamente na sociedade; escolhendo as leis do Todo-Poderoso nos condicionam para nos encaixar na congregação do Eterno.

Em outras palavras, a Torá foi dada a nós para nos dar as habilidades que precisamos para superar nossas limitações humanas e aprender a caminhar com as nossas próprias pernas como adultos independentes maduros no mundo perfeito que nos aguarda.

Amor e respeito

Nós todos amamos nossos bebês, mas não podemos ter respeito por eles. Eles são totalmente desamparados – eles não podem sequer comunicar os seus desejos – tudo que eles podem fazer é chorar até conseguirmos descobrir o que as incomoda.

Como os nossos bebês crescem, o amor incondicional sem limites torna-se ligado com o respeito. Um bebê é uma alegria; um adolescente que ainda é um bebê é uma enorme dor; um filho adulto que ainda é um bebê é uma tragédia e uma fonte da maior angústia. Se o Todo-Poderoso quisesse nos amar como nós amamos nossos bebês ele teria nos colocado diretamente em um mundo perfeito de nossos sonhos.

Ele nos colocou no mundo perfectível que habitamos, porque Ele quer nos amar da maneira que nós amamos nossos filhos adultos quando eles se saem bem na vida. Não há maior fonte de orgulho ou alegria no mundo do que a criança que se transforma em um adulto bem sucedido. Nenhum pai nunca se cansa da companhia de uma criança; qualquer pai ficaria feliz em passar a eternidade na companhia de uma criança; até mesmo a admiração que uma criança dá aos pais é uma sensação de calor em seus corações.

O propósito da criação no pensamento judaico é produzir essa criança que se tornou um  adulto de bem; uma criança que pode merecer respeito mesmo do Todo-Poderoso; nas palavras de Isaías 49:3: “Israel em quem me orgulho.”

A perspectiva pessoal

Esta conclusão é tanto incrível e emocionante. Por um lado, olhamos para nós mesmos e dizemos: “Posso realmente me transformar em alguém que o Todo-Poderoso possa ser orgulhar? Eu!? Mas, por outro lado, não há outra explicação para o mundo em que vivemos; o Todo-Poderoso realmente acredita que eu posso realizá-lo. Eu posso realmente ganhar o seu respeito; Na verdade, ele quer aproveitar a minha companhia por toda a eternidade. Uau!”

Ele também dá a minha vida um foco e um propósito. Em vez de simplesmente com o objetivo de sobreviver meus anos na terra como agradavelmente possível, sem causar mal a ninguém, eu posso realmente aspirar a fazer algo de mim mesmo. As pessoas com uma missão importante e pesadas responsabilidades raramente consideram o conforto ou mesmo de segurança. Quando a vida dos outros dependem de suas decisões ou mesmo quando um milhão de reais estão em jogo, quem pensa ou se preocupa com o conforto ou conveniência?

Nós, seres humanos somos muito importantes para se concentrar nas considerações mesquinhas e as frustrações menores desta vida terrena. Temos a oportunidade de crescer para grandezas inimagináveis; foi-nos dada a oportunidade de nos tornarmos os companheiros escolhidos do Eterno.

Author: admin

Comments

comments

Deixe uma resposta

Assine nossa lista de e-mails agora!

Assine nossa lista de e-mails agora!

Fique sempre informado de todas os nossos estudos, artigos, notícias e muito mais. É só preencher o formulário abaixo com seu nome e e-mail. Nós da SHAAREI SHALOM ficamos muito felizes em ter você em nossa lista de amigos.