Em busca da Serpente – Parte 1 – Parashat Bereshit

Por: Rabino Ari Khan

Tradução: André Ranulfo

NO INÍCIO

Conforme a criação se desdobra Criação, D’us cria uma variedade de espécies e as apresentam para Adam/Adão, que por sua vez dá-lhes nomes. A parceria curiosa, portanto, forjada entre o homem finito e ao Todo-Poderoso e Infinito D’us continuará a se desenrolar até o fim dos tempos. Adam é dotado de numerosos dons; ele é animado pelo sopro de D’us, e é criado à imagem de D’us. O poder da palavra que lhe foi dado é usado para dar nomes a todos os animais, indicando a capacidade adicional do homem para conceituar e categorizar.

E o Eterno D’us formou da terra todo animal do campo e toda ave dos céus, e trouxe ao homem para ver como lhes chamaria; e tudo o que chamasse o homem à alma viva, esse seria o seu nome. E o homem deu nomes a todo animal, ave dos céus e a todo animal do campo, (Bereshit/Gênesis 2:19-20)

Mas o homem é solitário. Em uma estranha justaposição, o mesmo verso em que Adam deu nome aos animais também afirma que ele estava sozinho. Aparentemente, Adam estava à procura de alguma coisa, e o versículo nos diz o que foi que ele não a encontrou: uma companhia.1 apropriada.

… mas para si não achou uma companheira à sua frente (Gênesis 2:19).

E, no entanto, isso não é nenhuma surpresa para o leitor. O próprio D’us “notou”  e teceu comentários sobre estado de solidão de Adam no versículo anterior:

E o Eterno Deus disse: “Não é bom que o homem esteja só. Farlhe-ei uma companheira frente a ele!” (Bereshit/Gênesis 2:18).

Podemos ser tentados para descrever o tema da solidão de Adam como tendo sido interrompida na narrativa pela nomeação dos animais, mas esta “curiosidade” textual leva a alguns insights pouco convencionais.2 A impressão de que o leitor fica, é que Adam pode ter procurado uma solução para seu dilema entre os animais. Rashi (comentando um versículo posterior) relata que Adam fez, na verdade, buscar uma companhia entre os animais, mas não encontrou uma companhia apropriada que combinasse.3 Toda a Criação era nova e inexplorada. Limites ainda não foram claramente definidos ou totalmente compreendidos. Adam procurou classificar e tornar-se familiar, para entender e simpatizar. Através deste processo, ele entendia o que nós já sabemos. As linhas foram solidificadas, as fronteiras desenhadas. Semelhanças foram exploradas, e a significância das diferenças entre as espécies foi trazido a foco.4

Além da “novidade” do mundo, pode haver outro fator que fez esta irrelevantes tangente aparentemente de nomear os animais um elemento necessário no desenvolvimento da narrativa. Homo-sapiens claramente têm muito em comum com o reino animal, embora o homem gostaria de acreditar que a semelhança é limitada a certos aspectos da fisiologia.

CRIAÇÃO E FORMAÇÃO

Quando o homem é criado a Torá descreve a nova criatura como se segue:

E Deus criou o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; macho e fêmea criou-os. (Bereshit/Gênesis 1:27).

O homem é criado à imagem do Todo-Poderoso, e o homem é homem e mulher. Nenhuma dessas afirmações é facilmente compreendida: O que significa ser “à imagem do Todo-Poderoso”? Além disso, se Havah/Eva é introduzida mais tarde na narrativa, o que faz a referência, neste momento, “homem e mulher” implica? O que é esta criação que é “homem e mulher”?

No capítulo seguinte, Adam é re-introduzido, com algumas diferenças marcantes. O segundo capítulo descreve  a “formação” do homem, em oposição a “criação” descrita no primeiro capítulo. Os dois termos estão longe de ser sinônimos: Criação implica algo totalmente novo, ex-nihilo, do nada. O segundo capítulo descreve a formação do homem a partir de matéria pré-existente:

E o Eterno Deus formou o homem [Adam] do pó da terra, e soprou em suas narinas o alento da vida e o homem tornou-se alma viva.. (Bereshit/Gênesis 2: 7)

Em vez de “criação a partir do nada”, o homem é formado da terra. Esta forma é então dada um espírito divino. O homem é um híbrido, composto por terra e matéria divina.5

Eu tenho uma garota pra você

Esta criação de duas fases descrita no segundo capítulo é desconcertante: Considerando que o primeiro capítulo contou de um macho e fêmea, no segundo capítulo a fêmea está longe de ser encontrada. Considerando que o primeiro capítulo descreve a criação ex-nihilo, o segundo capítulo conta uma história aparentemente diferente, uma história de formação, de moldar o material físico e impregnando-a de um sopro divino.

É possível conciliar essas diferenças com uma leitura literal do texto: D’us realmente criou o homem (e a mulher) como Ele criou tudo o resto – ex nihilo. No entanto, ao contrário de todas as outras criações, D’us aperfeiçoou com dom especial numa fase posterior, com o ato adicional que separou o homem do resto da criação: D’us levou este homem (criado anteriormente) e soprou-lhe um sopro divino – deu-lhe uma alma . Este homem, esta versão mais perfeita, mais elevada da criação anterior, é afastado de toda a criação.

O ato de nomeação dos animais é, em certo sentido, a declaração de independência do mundo animal de Adam. O sopro divino dentro dele cria um vazio espiritual. Adam deixou de estar satisfeito com uma instintiva existência 6. Ele procura a existência de uma ordem superior; ele procura significado. Este ser imbuído com uma alma, D’us o elevou a um patamar acima de todas as outras criaturas que Ele havia criado – incluindo a versão anterior do homem, os não-elevados, homens e mulheres sem alma que povoaram o universo criado. Este é o Adam que é incapaz de encontrar uma companheira adequada dentro do quadro existente. Adam experimenta uma crise espiritual, quando ele estuda e classifica o mundo animal, e chega à conclusão de que os outros humanoides não eram tão primitivos: Embora eles também fossem criados a imagem do Todo-Poderoso, e são dotados de grandes capacidades, lhes faltam o “sopro de D’us”, que lhe foi dado. Eles não têm almas. Ele entende que será impossível para ele encontrar uma companhia para si mesmo entre eles. Não há outros que possuem uma alma, e Adam é existencialmente sozinho, embora não esteja fisicamente sozinho.

D’us intervém: Adam é apresentado a Eva. Embora forjada a partir de seu próprio corpo, o aspecto mais saliente da sua relação é que ela é – literalmente alma gêmea de Adam. A unidade física, tanto em termos de sua origem e a consumação posterior de sua reunião, é vista como uma expressão física de sua identidade espiritual; eles são um, e eles são os únicos que possuem uma alma. É uma alma, dividida entre os corpos masculinos e femininos que D’us formou para eles. A companhia que D’us formou para Adam é, como ele, em forma de material pré-existente, mas dotada de muito mais.

Embora a sugestão de que havia outros humanoides com quem Adam não sentiu nenhum parentesco espiritual ou existencial pode parecer antinomio, em desacordo com a doutrina rabínica principal, somos ensinados que a verdade da Torá existe em muitos níveis, e o texto da Torá pode ser legitimamente entendida em muitos modos.7 na verdade, existem ensinamentos rabínicos, que só pode ser entendida à luz desta sugestão.8 As veremos (abaixo), muitas autoridades rabínicas, incluindo o Rambam, que eram da opinião de que havia “animais em forma e formato humano “, desprovida da alma que separados de  Adam, faltando aquele sopro divino que Adam e Eva compartilhavam entre si.

Quando Adam e Eva são apresentados, foi amor à primeira vista:

E o homem disse: Esta aqui é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Esta será chamada de mulher [ishá], porque do homem [ish] foi tomada.  Portanto, o homem deve deixar seu pai e sua mãe e unir-se à sua mulher, e assim serão como uma só carne. 9 (Bereshit 2:23-24)

UM HOMEM DA ALMA

Apesar de sua unidade física e espiritual, Adam e Hava cada um possui uma personalidade única. Cada um representa um aspecto único da alma com a qual eles estão imbuídos. Além de seu sexo, há uma grande diferença entre eles: Adam teve experiências que Eva não havia compartilhado. Adam já explorou o reino animal completamente, e ganhou uma visão sobre as diferenças entre as espécies e uma firme compreensão de seu próprio lugar dentro do contexto maior da Criação. Adam familiarizou-se completamente com o mundo, tentou viver como em união com as outras criaturas, e viu a vida rasa e insatisfatória. Eva é menos experiente, mais inocente. Ela não compartilha o conhecimento de Adam das fronteiras entre as várias ordens da criação. Portanto, ela é mais facilmente desviada pelo primeira amante galanteador que a seduz.

Adam imediatamente entende a natureza de seu relacionamento, porque ele tinha visto mais e tido mais experiencias. Mas qual foi a reação de Eva para ao ser apresentada a Adam? O texto é silencioso. A Eva não fala, mas suas ações nos dizem mais do que palavras: E ambos estavam nus – o homem e sua mulher – mas não se envergonhavam.. (Bereshit/Gênesis 2:25)

Um espreitador peçonhento

Eles se conheciam, com a exclusão de tudo mais na criação – mas eles não estavam sozinhos. Houve alguém espionado-os à distância, e ele estava com ciúmes; ele tinha desejos em Eva.10 A serpente andava, falava, criatura ereta, capaz de sofisticada comunicação, de expressão manipuladora, de planejamento avançado e manobras tácticas, de posicionamento e discussão. Embora nós tendemos a imaginar a “serpente”, como uma “serpente”, devemos ter em mente que a criatura que seduziu Eva assumiu a sua forma humilde, sem pernas, deslizando apenas como resultado de sues desvios (pecados).11 No ponto em que a Serpente apresenta a si mesmo e seus argumentos sedutores para Eve, esta “proto-serpente” tinha muito mais em comum com Adam e Eva do que poderíamos tentar imaginar.12 Talvez este serpente andante e falante é melhor descrita como um humanoide sem alma. Porque ele, também, foi criado à imagem do Todo-Poderoso, a Serpente possuía grandes capacidades de fala e raciocínio, mas ele usa esses dons como armas de destruição, a fim de satisfazer seu próprios desejos.

Eva é o objeto de seu desejo, e ele tem a intenção de se livrar de Adam, a fim de tê-la para si.13 A Serpente utiliza discurso astuto – verdadeiras, mas enganosas, para entregar uma mensagem que parece passar por Eva para Adam. A Serpente ataca a própria ideia das limitações estabelecidas por D’us:

E a serpente era astuta – mais do que qualquer animal do campo feito pelo Eterno Deus – e disse à mulher: Acaso Deus disse ‘Não comereis de toda árvore do jardim’? (Bereishit 3: 1)

Na mente da serpente, os limites são prejudiciais; eles vão contra suas sensibilidades instintivas. Na verdade, D’us permitiu ao homem desfrutar de cada árvore com exceção da única árvore que traria a morte no mundo. É este limite que a Serpente abomina: Se o homem não pode ter tudo, ele essencialmente nada tem. O próprio fato de que há uma limitação – mesmo aquele que protege o homem da morte – impulsiona o desejo da Serpente. Há uma outra limitação que o persegue, outro objeto de seu desejo – a única mulher que está fora dos limites para ele, a única mulher em toda a criação que era casada, em uma cerimônia realizada por D’us e com a presença dos anjos. 14 Esta uma mulher que não pode ter é a que ele anseia.

Quando a Serpente consegue que e Eva o ouça, ele segue com uma sedução curiosamente macho-orientada; ele fala do poder:

Pois Deus sabe que, no dia em que comerdes dele, vossos olhos se abrirão e sereis como Deus, conhecedores do bem e do mal. (Bereshit/Gênesis 3: 5)

A promessa era poder, mas isso não é o que fala com Eva. A reação dela ressoa com o desejo de um tipo totalmente diferente:

E viu a mulher que a árvore era boa para comer, desejável para os olhos e cobiçável a árvore para entender o bem e o mal, e tomou do seu fruto e comeu, e deu também a seu marido, que estava com ela, e ele comeu (Bereshit/Gênesis 3: 6)

Quando a serpente fala de poder, 15 Eva parece estranhamente indiferente; de fato, alguém interessado no poder não iria compartilha-la imediatamente.16 Eva é atraída pela estética, pela beleza. Sua reação não é ganância pelo poder, mas o desejo de beleza e experiência. Como é seu costume, os nossos sábios olham para as palavras que são ditas, mas também aprender com os silêncios no texto: No Midrash, os rabinos fazem alusão à fonte da luxúria de Eva, observando que um personagem importante estava ausente durante a maior parte deste episódio. Onde estava Adam? Os rabinos têm uma resposta interessante: O Midrash diz que ele foi dormir:

E a mulher disse à serpente: “Do fruto das árvores do jardim podemos comer” (Bereshit/Gênesis 3: 2). Agora, onde estava Adam durante esta conversa? Abba Halfon Ben Koriah disse: Ele havia se envolvido em suas funções naturais [i.e. relação sexual] e depois adormecido. (Midrash Rabá Bereshit 19: 3)

Depois que eles consumaram a sua união, Adam cai em um sono satisfeito, deixando a serpente para trabalhar suas artimanhas na Eva, que tinha sido deixada sozinha, excitada e insatisfeita. A serpente fala de poder, mas Eva responde com luxúria. De acordo com a literatura rabínica, a Serpente aproveitou sua vulnerabilidade, e com sucesso seduz Eva.17 O objeto de seu desejo foi vencido.

Crime e castigo

Tal como em muitos casos, podemos ganhar grande insights sobre o pecado, examinando cuidadosamente as lições da punição. Rabino Soloveitchik explicou que D’us não pune indiscriminadamente; há sempre uma correlação entre o pecado e do castigo. Na verdade, seria mais apropriado dizer que D’us não “pune” tanto quanto fornece ao homem o antídoto espiritual para efetuar a cura ( “tikkun”) que o homem precisa ser espiritualmente completo. Segundo o Rabino Soloveitchik, o pecado de Eva foi uma tentativa de ter uma “aventura” casual. Ela sabia que Adam, e nenhum outro, era sua alma gêmea, mas ela seguiu as tentações de sua própria sede de satisfação experiencial, para satisfazer seu próprio desejo de enriquecimento estético. Portanto, o “castigo” que ela recebe envolve o parto e dependência emocional. A lição para Eva é que as relações têm consequências, tanto de uma forma muito física, mas também em um plano emocional e espiritual. A “conexão” sem sentido está em desacordo com a Vontade Divina, bem como com sua própria identidade espiritual.

Do castigo de Adam – para trabalhar a terra e encontrar sustento através do suor do seu rosto – podemos deduzir que a mensagem da serpente era, na verdade, comunicada através de Eva e internalizados por Adam. A promessa de poder ganhou Adam ; que ele fez, na verdade, o desejo de ser um D’us. Por punição/ tikkun, Adam deve fazer o que D’us vinha fazendo até este ponto em Bereshit – Trabalhar e ser criativo.

A serpente é considerada irrecuperável. Ele já não pode compartilhar forma ou a estatura do homem; a serpente torna-se uma serpente, forçado a rastejar sobre a terra. Sua forma é reduzida a algo que já não reflete a imagem Divina. Seu corpo agora reflete somente o  elemento animalesco, desprovido de qualquer elemento superior. A Serpente é trazida para baixo em um nível mais elementar – uma criatura da terra por si só, um símbolo fálico estranhamente de luxúria desprovido de conexão espiritual ou emocional.

Frutos do pecado

Mas este não é o fim da história. Não havia uma relação entre Eva e a serpente – uma relação que, de acordo com uma série de fontes rabínicas, deram frutos. Há aqueles entre nossos sábios que ensinaram que um dos filhos de Eva não era filho de Adam, ao invés do pai era o Serpente.18 Esse nome da criança era Cain:

A multidão mista são a impureza que a serpente injetou em Eva. A partir desta impureza saiu Caim, que matou Abel, o pastor. (Zohar Bereshit 28b19)

Muitos mestres rabínicos insistem que essas fontes místicas só deve ser entendidas como um comentário sobre a relação temática entre o comportamento de Cain e o comportamento da Serpente, para explicar a dinâmica espiritual e não deve ser entendido literalmente.20 Se o Zohar explica o assassinato cometido por Caim, ciume irrompe, apontando para o seu verdadeiro pai físico, ou apenas para seu “pai espiritual”, Cabe o leitor decidir. Mas se essas fontes são lidos literalmente, muitas perguntas mais surgem, e os nossos conceitos bem organizados do homem bíblico podem exigir revisão.

Como já observamos, o próprio Rambam acreditava que havia uma vez  humanoides, desprovidas de o “sopro de D’us”, a pisar  nesta terra:

Esses filhos de Adam que nasceram antes que o tempo não eram humanos, no verdadeiro sentido da palavra, eles não tinham “a forma do Todo-Poderoso.” Com referência a Shet (Set) que tinha sido instruído, iluminado e levado à perfeição humana, poderia ser correto ser dito, “ele (Adam) gerou um filho à sua semelhança, em sua forma.” Reconhece-se que um homem que não possuem essa “forma” (a natureza do que acaba de ser explicada) não é humana, mas um mero animal em forma e semelhança. No entanto, tal criatura tem o poder de causar danos e ferimentos, um poder que não pertence a outras criaturas. Para aqueles dotes de inteligência e julgamento com o qual ele foi dotada com a finalidade de adquirir a perfeição, mas que ele não aplicou ao seu objectivo próprio, são usados por ele para fins perversos e perniciosos; ele gera as coisas más, como se ele simplesmente se parecesse com o homem, ou simulado a sua aparência exterior. Tal era a condição dos filhos de Adam, que precederam Shet. Em referência a este assunto o Midrash diz: “Durante os 130 anos quando Adam estava sob reprimenda que gerou a espíritos”, isto é, demônios; quando, porém, ele foi novamente restaurado ao favor Divino “que gerou à sua semelhança, em sua imagem.” Este é o sentido da passagem, “ E Adam viveu 130 anos e gerou, à sua semelhança e conforme a sua imagem, um filho, e chamou seu nome Shet(Bereshit 5: 3). (Guia para os Perplexos, Livro 1 Capítulo 7)

Este “animal com forma humana” é uma criatura sem a essência mais aperfeiçoado gerado por a Adam e Eva, e mesmo eles, depois de seu pecado, não passou por esta alma para sua prole automaticamente. Nenhum de seus descendentes antes de Shet subiu acima da forma humana para alcançar uma existência mais elevada, e muitos, muitos descendentes desses seres sem alma povoaram a Terra. A descrição da geração do dilúvio os descreve como poderosos, brutos humanoides.

E quando o homem começou a multiplicar-se sobre a face da terra e a nascerem-lhe filhas, viram os filhos dos nobres que as filhas do homem eram formosas, e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. (Gênesis 6: 1-2)

Sentimos duas classes diferentes ou espécies: Homem-Adam e seus filhos; e os brutos poderosos que, como a serpente, desejavam estas mulheres e “levaram” à força.

Quando veio o dilúvio, todos esses “animais em forma humana”, desprovidos de almas, mas formados à imagem Divina e agraciado com o poder da palavra, foram aniquilados. O mundo estava limpo 21 de todos eles – mas para uma exceção.

NOTAS

  1. Rashi 2:20 observa que D’us lhe mostrou os animais, macho e fêmea; ao ver que cada espécie tinha um companheiro, Adam sentiu a sua própria solidão. ver também os comentários de Rashi sobre 02:18, por um valor teológico.
  2. Muitas das esquisitices de texto salientadas neste ensaio foram notadas pelo meu professor rabino Yosef Soloveitchik. Veja Family Redeemed: Essays on Family Relationships,” Me’Otzar Harav (2000), páginas 3-30.
  3. Rashi 02:23, com base no Talmud Yevamot 63a, diz que Adam era íntimo com todos os animais. O Alshech em Torat Moshe (2: 19-20), diz que este não deve ser tomada literalmente; ao invés disso, Adam em sua imaginação conjurou tal imagem. Maharal em Be’er Hagola também insiste que este ensino não deve ser tomada literalmente.
  4. Rabino Pinchas Eliyahu Horowitz de Vilna em Sefer HaBrit parte 2, capítulo 12, diz que qualquer um que leva esta passagem literalmente, é um “tolo”.
  5. Eloquentemente descrito pelo Baalie Tosfot Bereshit 2: 7, “a alma é a partir de cima e o corpo de baixo.”
  6. Veja Haktav V’hakabbalah Bereshit 2:19.
  7. Os rabinos dizem que há setenta faces de entendimento da Torá ver Midrash Rabá B’midbar Parsha 13, há outros lugares na literatura rabínica que falam de outros números, aparentemente, este também está sujeito aos diferentes entendimentos ou “faces”.
  8. Em relação à permissibilidade de interpretar versos de uma maneira que é contra a tradição rabínica aceita – em áreas não jurídicas – ver Ohr Hachaim Bereshit 1: 1, Vayikra 19: 3, o comentário de Rav Shmuel Shtarshun na Rashash para Shabat 70b, Rav Yom Tov Heller encontrado em Tosfot Yom Tov comentário ao Nazir 5:5, Rav Asher Weiss Minchat Asher D’vraim 181 página 181.
  9. Não está claro quem faz esta declaração; de acordo com o entendimento convencional de que Adam é o único humanóide no planeta, isso seria uma declaração muito curiosa para ele fazer, pois alguns comentários sugerem que é D’us quem faz esta declaração. Veja comentários de Rashi. Outros acreditam que é a continuação da afirmação de Adam ver Toldot Yitzchak. No entanto, outros dizem que foi adicionado mais tarde, quando a Torá foi escrita, mas não fazia parte do monólogo de Adam, consulte Radak que cita esta opinião, mas se iestabelece em Adam como o falante.
  10. Rashi 3:1, com base no Midrash Rabá Bereshit 18: 6: E eles não se envergonhavam. Agora, a serpente era o mais astuta, Agora certamente Escritura deveria ter declarado, E o Senhor D’us fez para Adam e sua esposa roupas de pele (Bereshit 3:21) [imediatamente após o primeiro verso]? Disse R. Joshua b. Karhah: Ela ensina-lhe através que  pecado aquela criatura má  induziu-los, viz. porque ele viu-los engajados em suas funções naturais, ele [a serpente] concebeu uma paixão por ela. R. Jacob de Kefar Hanan disse: É, portanto, escrita, a fim de não concluir com a passagem sobre a serpente.
  11. A serpente foi amaldiçoada que seria necessário para rastejar sobre seu ventre, Bereshit 03:14. Rashi infere que não tinha pernas, que foram amputadas.
  12. Ver Yalqut Shimoni Yishayahu capítulo 65 remez 509, onde D’us é citado como dizendo à serpente: “Eu te criei duas pernas e dois pés como homem … mas você queria matá-lo, a fim de se casar com Eva. Veja Bereshit Rabá 19: 1: A serpente era o mais astuto de todos os animais do campo.   Hoshaya o Velho disse: ele ficou de pé distinto [ereto] como um junco, e ele tinha pés R. Jeremias b Eleazar disse:.. ele era um descrente .
  13. Rashi 3:15.
  14. Veja Midrash Rabá 08:13: R. Abbahu disse: O Santo, Bendito seja Ele, tomou um cálice de bênção e abençoou-os. R. Judá b. R. Simon disse: Michel e Gabriel eram melhores homens de Adam.
  15. Ver o rabino Yosef Soloveitchik, “Family Redeemed” página 23.
  16. Ver o rabino Yosef Soloveitchik, “Family Redeemed” página 24.
  17. Ver Talmud Bavli Shabbat 146a e comentário de Rashi.
  18. Esta ideia é encontrada em muitas fontes ver Yalqut Shimoni Bereshit capítulo 4 remez35, Pirki D’Rabi Eliezer capítulo 21:22.
  19. Esta ideia é encontrado em muitos outros lugares na literatura Zoharica, ver Zohar Shmot 231a, Vaikrá 76b, Bereshit Hashmatot 253b, Zohar Chadash Meguilot, Shir Hashirim 6a, Zohar Chadash Sitrie Otiot Bereshit 15b: Zohar Sh’mot 231a – Mas quando Adam e sua esposa pecou e a serpente teve relações com Eva e injetado em seu seu veneno, ela deu à luz a Caim, cuja imagem foi em parte derivado do alto e, em parte, a partir do veneno do lado impuro e baixa. Por isso, foi a serpente que trouxe morte para o mundo, na medida em que foi o seu lado que foi a causa do mesmo. É a maneira da serpente para armar ciladas para matar, e, portanto, aquele que surgiu a partir dele seguiu o mesmo curso. Assim, a Escritura diz: ” E Caim disse a Abel, seu irmão… e sucedeu que, estando eles no campo, levantou-se Caim contra Abel, seu irmão, e o matou ” (Bereshit 4: 8).
  20. Ver Ramban Torat Hadam seção 123.
  21. Ver o rabino Meir ibn Gabai, Avodat Hakodesh parte 4 capítulo 14.

Author: admin

Comments

comments

Deixe uma resposta

Assine nossa lista de e-mails agora!

Assine nossa lista de e-mails agora!

Fique sempre informado de todas os nossos estudos, artigos, notícias e muito mais. É só preencher o formulário abaixo com seu nome e e-mail. Nós da SHAAREI SHALOM ficamos muito felizes em ter você em nossa lista de amigos.