Festas Judaicas – Aula 1 – Rosh Hashanah (Ano Novo)

O que se comemorá em Rosh Hashaná?

Ao contrário de que muita gente pensa, Rosh Hashaná não comemora a criação do universo, mas sim a criação da Alma de Adam (Adão) no sétimo dia.

Pré-Rosh Hashanah

Um componente chave da preparação Rosh Hashaná (Cabeça do Ano ou Ano Novo) é pedir perdão a qualquer pessoa que possa ter lhe prejudicado durante o ano anterior. Na medida do possível, queremos começar o ano com uma ficha limpa – Sem ninguém guardando rancor contra nós. Da mesma forma, devemos ser rápidos para perdoar aqueles que nos ofenderam.

Muitas pessoas têm o costume de ir à mikveh antes de Rosh Hashaná, depois do meio-dia. A mikveh, que tem o poder de purificar de certos tipos de impurezas espirituais, pode ser uma parte importante do processo de teshuvah.

Alguns têm o costume de visitar um cemitério no dia antes de Rosh Hashaná e rezar nos túmulos dos tzadikim (justos). Claro, nós não rezamos “para” os justos, mas somente à D’us, que ouve nossas orações pelo mérito dos tsadikim.

Na manhã antes de Rosh Hashaná, cantamos “Hatarat Nedarim” – anulação dos votos. Em termos de Torah, dizendo algo tão simples como “Eu me recuso a comer doces” pode ser considerado um voto legal. Portanto, antes de Rosh Hashaná, anular todos os votos, quer tenham sido feitas intencionalmente ou não. Isso é feito em frente de três homens adultos e pedindo para serem libertos desses votos. O texto completo pode ser encontrado em um Siddur ou Rosh Hashanah Machzor.

A Refeição Festiva

Durante as Grandes Festas, uma chalá redonda é usada – simbolizando plenitude e conclusão de um ciclo. Depois de fazer a bênção “Hamotzi”, costuma-se molhar o pão no mel – simbolizando nossa oração por um ano novo bom e doce.

Em seguida, após o pão ser comido, tomar uma maçã e mergulhá-la no mel. Faça uma bênção na maçã (uma vez que “Hamotzi” não cobre a maçã) e comer um pouco da maçã. Então diga: “Que seja Sua vontade, Deus, para nos renovar por um ano novo bom e doce.” (OC 583).

Por que pedimos tanto para um ano “bom” e “doce”? A palavra “bom” não inclui automaticamente “doce”? O Judaísmo ensina que tudo acontece para o bem (Gam Zu L’Tovah). Tudo isso faz parte da vontade Divina. Mesmo as coisas que podem parecerem “ruins” em nossos olhos, são realmente “boas”. Por isso, pedimos que, além de bom, o ano deve ser “revelado” bom – ou seja, que tenha gosto “doce” para nós.

Em Rosh Hashaná, nós adicionamos o parágrafo “Yaaleh V’Yavo” em graça após as refeições.

Os alimentos simbólicos

Em Rosh Hashaná, comemos alimentos que simbolizam coisas boas que esperamos para o próximo ano. Nós contemplamos o que esses alimentos simbolizam, e se conectar com a Fonte de todas as coisas boas. Aqui está uma lista do Talmud de alimentos simbólicos habitualmente consumidos em Rosh Hashaná. (A comida e o seu significado relacionado são escritos em letras maiúsculas.)

Depois de comer REPOLHO, diga: “Que seja Sua vontade, D’us, que nossos inimigos serão exterminados.”

Depois de comer BETERRABA, diga: “Que seja Sua vontade, D’us, que nossos adversários sejam removidos.”

Depois de comer TÂMARAS, diga: “Que seja Sua vontade, D’us, que nossos inimigos sejam exterminados.”

Depois de comer CABAÇA, diga: “Que seja Sua vontade, D’us, que o decreto de nossa sentença deva ser dilacerado, e pode nossos méritos ser proclamados diante de Ti.”

Depois de comer ROMÃ, dizem: “Que seja Sua vontade, D’us, para que nossos méritos aumentem à medida que as sementes de uma romã.”

Depois de comer a CABEÇA DE CARNEIRO ou CABEÇA DE PEIXE, diga: “Que seja Sua vontade, D’us, que sejamos como a cabeça e não como a cauda.

Orações Rosh Hashanah

Uma vez que existem tantas orações únicas em Rosh Hashaná, nós usamos um livro de oração especial chamada “Machzor.”

Na “Amidah” e “Kiddush” para Rosh Hashanah, dizemos a frase “Yom Teruah”. No entanto, se Rosh Hashaná cai no Shabat, dizemos “Zichron Teruah” em seu lugar. (Se alguém inadvertidamente disse a frase errada, ele não precisa repetir a oração).

A súplica “Avinu Malkeinu” deve ser dita em Rosh Hashaná, exceto quando Rosh Hashaná e Shabbat coincidem, uma vez que súplicas não são ditas no Shabat. Se Rosh Hashaná cai em uma sexta-feira, “Avinu Malkeinu” não é dito em Minchá.

A cortina sobre a arca é alterada para branco.

Durante as Grandes Festas, a cortina sobre a arca é alterado para um branco, para simbolizar que os nossos “erros serão embranquecidos como a neve.”

A oração “Amidah” de Musaf contém três bênçãos especiais: “Malchiot” (louvores a D’us o Rei), “Zichronot” (pedindo a D’us para lembrar os méritos de nossos ancestrais), e “Shofrot” (o significado do shofar).

O chazan (cantor) para as Grandes Festas não deve ser escolhido por seus talentos vocais apenas. Idealmente, ele deve ser mais de 30 anos de idade, temente a D’us, aprendido Torah, humilde e casado. Em vez de causar conflitos na comunidade, um chazan com idade inferior a 30 anos que possui as outras qualificações, pode servir.

Uma vez que é uma questão de saber se a bênção “Shechechianu” deve ser dito, no segundo dia de Rosh Hashaná, o costume é comer uma fruta nova ou vestir uma roupa nova – e dizer “Shechechianu” em cima dele.

O Shofar

A mitzvá essencial de Rosh Hashaná é ouvir o shofar.

O shofar usado em Rosh Hashanah deve ser um chifre curvado de carneiro de mais onze centímetros (quatro polegadas). É permitido usar o shofar de um animal não ritualmente abatidos.

A obrigação mínima da Torah é ouvir nove toques. No entanto, dada a dúvida se o som deve ser um tipo gemido chorado (Shevarim), ou um choro soluçante (Teruah), ou uma combinação (Shevarim-Teruah), realizamos todos os três sons – cada qual precedidos e seguidos por uma explosão ininterrupta, Tekiá. Três de cada conjunto de resultados em 30 toques no total, que removem todas as dúvidas quanto se o preceito da Torá foi cumprido.

O shofar é considerado como um despertador espiritual, nos despertando de nosso sono.

O shofar deve ser soprado durante o dia. Todos devem ficar de pé, e têm a intenção de que sua obrigação está sendo cumprida.

Antes de sopro, duas bênçãos são recitadas: “Para ouvir o som do shofar”, e “Shechechianu”. Uma vez que as bênçãos têm sido feitos, não se pode falar até ao fim do sopro shofar.

Uma mulher pode soar o shofar para si mesma depois de dizer a bênção. (Mulheres Sefardi não dizem a bênção.) Uma criança que tem idade suficiente para ser educado sobre as mitzvot são obrigadas a ouvir o Shofar.

O shofar não é tocado quando Rosh Hashaná cai no Shabat.

Durante a repetição do chazam do Musaf “Amidah”, 30 toques adicionaises são sopradas nas várias combinações.

É o costume de tocar 40 toques no final de serviços, elevando o total para 100.

É habitual prolongar o toque final, chamado de “Tekiá Gedolah.”

Assista o toque do Shofar.

Outros costumes

É costume de cumprimentar os outros com:

  • L’Shana Tova. ou;
  • L’Shana Tova – Ketivah vi-chatimá Tova. Significa: Para um bom ano – Você deve ser escrito e selado no Livro da Vida.
  • L’Shanah Tovah U’Metukah. Significa: “Um ano novo bom e doce”.

Deve-se tentar não dormir ou ir para caminhadas ociosas no dia de Rosh Hashanah. (O Arizal permite um cochilo à tarde.)

É aconselhável evitar relações conjugais, exceto se Rosh Hashaná cair na noite de imersão da esposa.

Se um Brit Milá cai em Rosh Hashanah, que deve ser realizado entre a leitura da Torá e o sopro shofar.

Tashlich

A oração “Tashlich” é dito na primeira tarde de Rosh Hashaná, por um lago, rio ou mar, de preferência com peixes. Esta oração é o se livrar simbolicamente nossos erros. Certamente nós não “Nos livramos de nossos pecados” pagando por isso – A abordagem judaica é a introspecção profunda e compromisso com a mudança. Na verdade, toda a ideia de “Tashlich” é, em parte, para comemorar o Midrash que diz que quando Avracham (Abraão) foi para o Akeida (sacrifíciode Isaac), ele cruzou a água até a altura do pescoço.

Se Rosh Hashaná cai no Shabat, “Tashlich” tem lugar no segundo dia. Se “Tashlich” não foi dito em Rosh Hashaná, pode-se dizer a qualquer momento durante os Dez Dias de Teshuvá.

Tashlich é dito por uma poça de água, de preferência com peixes.

Tanto o corpo de água e os peixes são simbólicos. Na literatura talmúdica, a Torá é representada como água. Assim como os peixes não podem viver sem água, assim também um judeu não pode viver sem Torah.

Além disso, o fato de que os olhos de um peixe nunca fecham nos lembram que, por isso, também, os olhos de D’us (por assim dizer) nunca fecham; Ele conhece cada movimento nosso.

Algumas comunidades costumam jogar migalhas de pão para simbolizar seus pecados e jogá-los para os peixem comerem e se “livrarem” dos pecados.

Este é o texto de “Tashlich”

Quem sois Tu D’us, que remove iniquidade e tem vista para a transgressão do restante da sua herança. Ele não fica com raiva para sempre, porque Ele deseja bondade. Ele vai voltar e Ele será misericordioso conosco, e Ele vai conquistar nossas iniquidades, e Ele vai lançá-los para as profundezas dos mares.

Deu a verdade a Yaakov (Jacó), bondade a Avracham como que Tu jurou aos nossos antepassados de há muito tempo.

A partir do estreito invoquei a D’us, D’us me respondeu com expansividade. D’us está comigo, não vou ter medo, o que o homem pode fazer para mim? D’us está comigo para me ajudar, e eu vou ver meus inimigos aniquilados. É melhor refugiar-se em D’us do que confiar no homem. É melhor refugiar-se em D’us, que confiar em nobres.

Muitas pessoas também leem Salmos 33 e 130.

Author: André Ranulfo

É o editor e web designer do site ShaareiShalom.net.
Também é fundador e atual presidente da Congregação Judaica Shaarei Shalom.

Comments

comments

André Ranulfo

É o editor e web designer do site ShaareiShalom.net.
Também é fundador e atual presidente da Congregação Judaica Shaarei Shalom.

Deixe uma resposta

Assine nossa lista de e-mails agora!

Assine nossa lista de e-mails agora!

Fique sempre informado de todas os nossos estudos, artigos, notícias e muito mais. É só preencher o formulário abaixo com seu nome e e-mail. Nós da SHAAREI SHALOM ficamos muito felizes em ter você em nossa lista de amigos.