Leis e costumes dos 10 dias antes de Yom Kippur

Leis e costumes dos 10 dias antes de Yom Kippur

O período entre Rosh Hashaná e Yom Kippur são chamados os Dez Dias de Arrependimento (Teshuvá) ou os Dez Dias Temíveis.

Em Rosh Hashanah, o justo e o ímpio recebem o seu julgamento. Uma pessoa não deve ver-se como má ou ser tão presunçosa em considerar-se justa. Portanto, temos 40 dias para melhorar e inclinar a balança para o lado da justiça. Durante todo o mês de Elul, e mais intensamente entre Rosh Hashaná e Yom Kipur, os judeus realizam uma auto-avaliação sobre sua conduta durante todo o ano. Yom Kippur é a culminação deste período.

Durante os Dez Dias Temíveis, os judeus se engajam ainda mais em intensa introspecção com a finalidade de auto-aperfeiçoamento. Tornamo-nos mais escrupulosos na observância de mitzvot. Tudo com a finalidade de nos reconectarmos com Hashem.

Mudanças nas orações

Durante o todo o mês de Elul, os judeus sefaradim hispano-portugueses acrescentam as Selichot (Súplicas) imediatamente após a Amidá de Arvit. A razão pelas quais essas comunidades, particularmente as de Londres e de Amsterdã, realizaram esse costume era porque muitos indivíduos tinha dificuldade em sair de casa para as sinagogas pela manhã por causa do intensos frio e umidade das regiões dessas latitudes.

Essa prática sofreu algumas críticas de alguns judeus eruditos, como Moshé Zaccuto e Chaim Yosef David Azulai. Não obstante essas críticas, o Rabino Shem Tov Gaguine, Grão Rabino da Comunidade Sefaradi do Reino Unido escreveu que “de acordo ao significado explicito dos textos, não encontramos nenhuma proibição a essas práticas”. Por isso, as comunidades de Londres e Amsterdã não levaram em conta as críticas e seguiram praticando esse costume até os dias atuais.

Moshé ben Maimon (Maimônides), escreveu em Mishné Torá, Hilchot Teshuvá 2.6:

Apesar de que o arrependimento e o pedido de perdão a D’us são benéficos para o mundo e não tem tempo fixo, nos dez dias enre Rosh Hashaná e Yom Hakipurim são especialmente benéficos, eficazes e são recebidos de imediato, pois está dito: ‘Buscai a Hashem onde Ele se encontra; clamai a Ele enquanto Ele está por perto’ (Isaías 55:6) Do que estamos falando? No caso de um indivíduo, Não obstante, cada vez que o povo faz teshuvá e pede perdão com um coração completo, eles são respondidos, pois está escrito: ‘Pois que nação há que tenha um deus tão perto de si como Hashem, nosso D’us, sempre que O invocamos?’ (Devarim 4:7)”

Convém lembrar que cada comunidade deve seguir a sua tradição ancestral, recebida de seus pais e avós.

Havdalá é recitada na conclusão do Rosh Hashaná, mas apenas a bênção sobre o vinho e a bênção final.

Se Rosh Hashaná cair no sábado à noite, “V’Todianu” é adicionado na quarta bênção da “Amidah.”

O terceiro dia de Tishrei, o dia depois de Rosh Hashaná, é um dia de jejum público chamado Tzom Gedalias. Todas as leis dos dias de jejum menores se aplicam. O jejum começa ao amanhecer e termina ao anoitecer.

Há várias pequenas, mas importantes mudanças nas orações diárias que devem ser observadas.

Estas são as mudanças a serem feitas no “Amidah:”

  • Na primeira bênção, nós adicionamos a frase “Zachreinu l’chaim.”

  • Na segunda bênção, nós adicionamos a frase “Mi chamocha.”

  • Na terceira bênção, podemos concluir com “Hamelech HaKadosh,” em vez do usual “Ha’El HaKadosh.” Se isso não for feito, todo o Amidah deve ser repetido. (Os outros acréscimos não requerem um para repetir o Amidah.)

  • Na 11ª bênção, podemos concluir com “Hamelech Hamishpat,” no lugar de “Melech Ohave tsedacá U’mishpat.”

  • Na 18ª bênção ( “Modim”), nós adicionamos a frase “U’ch’tov l’chaim.”

  • Na bênção final (“Sim Shalom” ou “Shalom Rav”) somarmos a frase “B’sefer Chaim.”

A oração “Avinu Malkeinu” é dito após a repetição do “Amidah” na parte da manhã e da tarde.

No “Kaddish”, dizemos “l’Mikol ailah u’l’ailah,” em vez do usual “l’ailah min kol”.

Todas essas modificações constam dos sidurim existentes.

Author: admin

Comments

comments

Deixe uma resposta