O Dilúvio – Temas do Chumash Nº4

Gênesis – capítulos 6-9

Pelo Rabino Zave Rudman

Introdução

A história de Noach (Noé) é uma das histórias mais conhecidas da Torá. Quem não conhece a palavra “antediluviana”? Ou pelo menos, quem não tem uma imagem em sua mente da pobre girafa com a cabeça presa para fora de uma claraboia no topo da Arca, na chuva!

Para rever a história em suma: o mundo está cheio do mal, menos de Noé. D’us diz a Noé para construir uma arca para sua família e os animais. Dois a dois, os animais vêm e enchem a Arca. Chove por 40 dias, e o mundo inteiro – exceto os da Arca – é destruído. Noé, sua família, e os animais saem da Arca, e o mundo é renovado. Deus envia um arco-íris, e promete a Noé para nunca mais destruir o mundo.

Há muito mais na história do que olhos veem. Exploraremos estas cinco áreas:

Que mal a humanidade perpetrou para merecer ser exterminada?

  • Por que de todas as formas de punir o mundo, Deus escolheu um dilúvio?
  • Por que Deus precisou de Noé para construir uma Arca?
  • O que Noé fez para merecer ser salvo?
  • No final, como o mundo foi reconstruído, e o que mudou?
  • O que fez a Geração do Dilúvio?

 

O episódio do dilúvio começa com uma descrição da descida da raça humana no mal. Há duas ofensas específicas mencionadas: violação e roubo.1 Essas são transgressões muito graves, mas esta não é a primeira vez que a humanidade errou. Seis gerações anteriores a Noé, o homem parou de acreditar em D’us e foi punido.2 Entretanto, as consequências não foram tão severas e o mundo continuou a existir. A rejeição de D’us parece ser merecedora de uma severa punição, então por que a violação e o roubo recebem retribuição muito mais terrível no tempo de Noé?

Encontramos nos versículos que estes dois pecados são extremamente específicos. Primeiro, a classe alta é acusada de tomar as mulheres como desejavam.3 Em segundo lugar, o mundo estava cheio de roubo.4 O que causou essa punição final foi o abuso de autoridade para tirar vantagem dos menos poderosos. O furto era mais do que roubar, mas um clima de exploração dos empobrecidos. Eles não roubaram, mas compraram sob coação o que as pessoas não queriam vender. Este roubo hipócrita é pior do que o roubo direto.

Isso é considerado mais grave do que rejeitar D’us. Uma sociedade em que até mesmo os líderes estão abusando de seu poder não podem continuar a existir.

Isto não é apenas um pecado, mas é o oposto do propósito da criação. Em Tehilim/Salmos 6 diz que o mundo foi criado para a bondade (chesed). Isso não é apenas bondade como um traço de caráter, mas uma visão do mundo como um lugar para ser um doador ao invés de um tomador. O homem foi colocado neste mundo não para acumular poder e bens, mas para contribuir para a sociedade. O que havia acontecido na geração do Dilúvio foi uma perversão do propósito da criação. Esta era uma sociedade de tomadores em vez de doadores.

A rejeição de D’us não traz consequências tão graves como esta, já que ainda existe a capacidade de reatá-lo. No entanto, o abuso de poder e autoridade são mais difíceis de desfazer. Maimônides escreve7 que alguém que não aceita orientação não retornará (Teshuvah). Isso ocorre porque a capacidade de ouvir outra opinião é o pré-requisito para a mudança. Em uma sociedade onde os governantes abusam de seu poder, eles definitivamente não ouvirão o chamado para a mudança, e eles continuarão a afundar na decadência. Portanto, se o propósito da criação foi anulado, o mundo deve ser recriado de uma nova forma.

Por que uma inundação?

É axiomático que D’us não é zeloso e, portanto, o castigo que ele impõe não é vingança, mas como um meio para o homem aprender com seus erros. Portanto, se somos informados dos detalhes da destruição, há algo para nós aprendermos. Podemos ganhar pelo menos três insights deste episódio.

1) Voltando ao princípio da Criação, o estado primordial do mundo era a água.8 Desde que o mundo foi criado para o uso do homem, quando ele não merece o mundo, ele volta à condição pré-humana original.

Mais especificamente, a água é conhecida como o solvente universal. A palavra hebraica para o dilúvio é ‘Mabul’, que vem da raiz ‘dissolver’. Como aprendemos anteriormente, o fracasso da humanidade foi através do abuso de poder e da dissolução da sociedade. A punição apropriada, portanto, é que o mundo está imerso na água, e toda a humanidade é dissolvida até o nada.

2) Muitas facetas da vida judaica envolvem imersão em um mikveh, uma piscina ritual. O poder de um mikveh é purificar e renovar. Assim, o ato final de conversão, por exemplo, é mergulhar em uma mikveh. Assim como um feto emerge de um ambiente aquático para uma “nova vida”, assim também o convertido nasce de novo.

No tempo de Noé, o mundo exigia imersão num mikvé, por assim dizer, para ser purificado e criado de novo. A este respeito, o número 40 é significativo: Choveu durante 40 dias, correspondendo ao volume padrão de um mikveh, para seahs.9

3) Em um nível cabalístico: o mundo foi criado principalmente com chesed (bondade). No entanto, isso é temperado por din (julgamento). Estes dois conceitos são representados pelo fogo (julgamento) e água (bondade). Nós indicamos mais cedo que as transgressões do povo estavam no reino de tomar o que não era deles, o oposto da bondade. Portanto, é apropriado que a punição venha através de um uso irresistível da bondade, representada pela água. Isso então limpa a ficha e o mundo pode ser renovado.

Por que uma Arca? E Por Noé?

Para sobreviver a uma inundação, Noah precisa de um barco. Um exame superficial da descrição da Arca faz perceber que todas as visualizações do livro de histórias estão incorretas. A Torá descreve como aproximadamente o tamanho de um campo de futebol – 300 côvados por 50 côvados.10

Como dissemos anteriormente, “o mundo foi criado para a bondade”.11 O próprio D’us, não tendo falta nem necessidades, criou o mundo para conceder Sua bondade aos outros12. E o homem, criado à imagem de D’us, é fazer também a bondade para outro.13

As ações do homem que levam à inundação – como tomadores em vez de doadores – eram a antítese disso. Assim, para o mundo continuar, havia necessidade de algum ato supremo de bondade e bem. Assim, a pessoa que salvaria o mundo e seria a semente de um novo mundo depois do dilúvio, deve incorporar bondade completamente altruísta, sem pensar em recompensa. Este era o traço de D’us quando criou o mundo e providenciou para todas as criações. O homem que deve enfrentar o dilúvio deve incorporar essa qualidade.

Noé é apresentado a nós como um tzadik, um indivíduo justo. Geralmente, imaginamos um tzadik como uma pessoa ascética e piedosa. Aqui somos apresentados a uma abordagem diferente. A justiça de Noé é seu cuidado e preocupação por todas as criaturas, o que aumenta sua proximidade com D’us.

Fazia parte do plano de D’us que Noé assumisse a responsabilidade pelo mundo. Assim, em vez de salvar milagrosamente o mundo, D’us deu a Noé a oportunidade de participar da salvação: Noé pegou o martelo e pregos e construiu a Arca.

O ato de dar de Noé foi manifestado mais intensamente durante o ano que ele passou na própria Arca. Perceba que Noé foi responsável pela alimentação e cuidados de todas as espécies, a população restante do mundo.

Noé leva essa responsabilidade muito a sério. Ele estudou os hábitos alimentares das diferentes aves para determinar que tipo de vermes cada um deles come. Uma vez que cada espécie come em um momento diferente do dia, Noé e sua família trabalharam sem parar para fornecer seus alimentos no momento mais natural. Ele até trouxe fragmentos de vidro para alimentar os avestruzes que usam isso para moer a comida em seus estômagos.

Noé se ergueu nesta ocasião e tomou a responsabilidade pelo mundo inteiro. Por este ato supremo de bondade, ele merecia sobreviver e trazer o mundo à renovação.

A Reconstrução

Quando as águas finalmente recuaram, tudo o que restava eram as pessoas e os animais da Arca. Quando saíram da Arca, apareceu um arco-íris no céu.15 A refração da luz solar através da umidade; D’us estava insinuando que, embora a água fosse o veículo da destruição, Noé criara uma bela conexão entre D’us e o homem. Noah tinha mostrado que ele era um zelador de toda a criação, e não apenas um tomador para suas próprias necessidades. Portanto, D’us promete que se o mundo pode produzir um ser humano como este, ele nunca mais será confrontado com a destruição novamente.

O judaísmo cultiva uma apreciação da beleza da natureza, e ensina-nos a fazer bênçãos especiais quando encontramos impressionantes maravilhas naturais, como o mar, montanhas espetaculares, e assim por diante.

Assim, fazemos uma bênção ao ver o arco-íris. Exclusivamente, esta bênção se concentra na aliança de D’us com Noé, que foi selada pelo sinal especial do arco-íris. A bênção louvou a Deus “Quem se lembra do pacto, é fiel no Seu concerto e cumpre Sua palavra”.

Neste sentido, o arco-íris tem uma mensagem dupla: D’us vê razão para trazer destruição sobre o mundo novamente, mas se abstém, por assim dizer, por respeito à promessa feita a Noé. Por esta razão, não se deve olhar excessivamente para um arco-íris.16

A história de Noé continua com uma descrição dos três filhos de Noé: Shem, Ham e Yafet. A partir deles o mundo inteiro é recriado. Uma análise de seus nomes leva a uma compreensão de sua função como protótipos para a humanidade. Ham em hebraico significa calor. Este é o aspecto de uma pessoa que é ativa e física. Yafet é baseado na raiz ‘Yafeh,’ beleza. Este é o lado estético e artístico do homem. Shem em hebraico significa nome. Um nome é a essência de uma pessoa17, e isso se refere à capacidade do homem de mergulhar em si mesmo e encontrar um núcleo essencial de sabedoria. (Nota do Tradutor: Shem, Ham e Yafet podem ser entendidos como Força, Beleza e Sabedoria).

Pela primeira vez, encontramos uma descrição de uma família em vez de uma passagem de gerações de pai para filho. O mundo está agora entrando numa fase onde, em vez da interação de D’us com os indivíduos, há famílias e uma humanidade diversa, cada uma com um papel único no serviço de D’us. Isso leva às 70 nações seminais que existem na época da Torre de Babel.18


  1. Genesis 6:2,11
  2. Rashi (Genesis 4:26)
  3. Genesis 6:2
  4. Genesis 6:11
  5. Maharal (Gur Aryeh – Genesis 6:13)
  6. Psalms 89:3
  7. Laws of Teshuva 4:2
  8. Genesis 1:2
  9. approx. 450 litros. Veja “Pirushei Siddur HaTefillah L’Roke’ach” 96
  10. Aprox. 200m por 30m. A arca é descrita em detalhes no início da Parshat Noach, Genesis 6:14-16.
  11. Salmo 89:3
  12. Salmo 40:6 com  Rashi
  13. Talmud – Sotah 14a
  14. Midrash Tanchuma (Noach 2)
  15. Genesis 9:13 with Ibn Ezra
  16. Talmud – Chagiga 16a
  17. Talmud – Brachot 7b
  18. Genesis 10:5, 32; Midrash Tehillim 9:7

Author: admin

Comments

comments

Deixe uma resposta

Assine nossa lista de e-mails agora!

Assine nossa lista de e-mails agora!

Fique sempre informado de todas os nossos estudos, artigos, notícias e muito mais. É só preencher o formulário abaixo com seu nome e e-mail. Nós da SHAAREI SHALOM ficamos muito felizes em ter você em nossa lista de amigos.